Novidade: Vou para a Bienal do Livro de São Paulo! + Lançamentos literários mais legais desta edição

agosto 25, 2016
Foto: Reprodução/Wikipédia.

Foto: Reprodução/Wikipédia.

YAAAAAAY! 0/ Eu mal consigo acreditar que F I N A L M E N T E estou compartilhando esta supernovidade com vocês! Isso já é algo que venho sonhando e desejando que acontecesse há muuuito tempo, desde o final do ano passado pra ser mais específico, mas como só agora recebi a confirmação de que realmente vai rolar, é quando decidi vir aqui em primeira mão contar pra vocês! Ultimamente ando bem assim mesmo, optando por guardar aqueles sonhos mais especiais e importantes apenas comigo e com as pessoas mais próximas de mim e só compartilhar pra todos mesmo quando estiver prestes a se concretizar, pois acho que assim as chances de dar errado são menores (sei que pode parecer a maior bobagem do mundo, mas, por incrível que pareça, tem funcionado! Haha). Porém, como a minha ida à Bienal do Livro de São Paulo já está mais do que certa (<3), vamos falar sobre ela!

Eu já embarco pra São Paulo hoje, dentro de poucas horas na verdade (dia 25, quinta-feira), e fico por lá até o dia 05 de setembro (uma segunda-feira), logo terei exatamente 12 dias pra conhecer e aproveitar a terra da garoa! Durante essas quase duas semanas serei abrigado pela minha amiga Bruna (vocês já devem estar familiarizados com ela), que, como já mencionado aqui no blog anteriormente, divide lá um apê com o irmão, Heitor, no bairro de Higienópolis. A 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que se trata do principal motivo dessa viagem, acontecerá entre os dias 26 de agosto (uma sexta-feira) e 04 de setembro (um domingo), no Pavilhão de Exposições do Anhembi. E, apesar de que estarei na cidade durante todo o período da Bienal, não vou todos os dias, somente naqueles com a programação que mais for do meu interesse (que, no fim das contas, acaba sendo quase que todos os dias! Haha). Pra ser mais específico, vou nos dias 27, 28, 30 e 31 de agosto e 02, 03 e 04 de setembro (7 dias) e não vou nos dias 26 e 29 de agosto e 1º de setembro (3 dias). Mas é claro que nos dias que eu não estiver na Bienal irei me ocupar com alguma outra coisa, afinal tempo em viagem é algo que não podemos desperdiçar!

Apesar de que a programação de sessões de autógrafos e palestras vai ocupar a maior parte do meu tempo enquanto estiver em Sampa, também pretendo fazer outras coisas ao longo dessa viagem. Tô super empolgado pra conhecer pontos turísticos, como a Avenida Paulista, o Parque Ibirapuera, o Beco do Batman, e lugares próprios de lá, como a hamburgueria Zé do Hamburguer (uma das locações do clipe de Deixa Ele Sofrer, da Anitta) e a sorveteria Ben & Jerry’s; Matar a saudade dos shows do Tiago Iorc com um show dele na Festa Pardieiro, que acontecerá na próxima sexta-feira (dia 26), no Espaço das Américas (uma das casas de show mais importantes da cidade), no qual irei com Brunão; E, por falar nela, passar um tempo com ela e acompanhar de perto um pouquinho da sua rotina (que é algo que eu adoro acompanhar pelo Snapchat, rs); Conhecer pessoas legais, sobretudo na Bienal, pra poder compartilhar os momentos que irão acontecer por lá; Ligar e dar match nos apps de pegação, hehe…

E, obviamente, eu não poderia viver uma experiência incrível como essa sem transformá-la em conteúdo pro blog e compartilhar todos os detalhes com vocês, não é mesmo? Ainda hoje e amanhã (quinta e sexta-feira) teremos mais dois posts relacionados a minha viagem pra São Paulo e no final de semana teremos uma programação especial de aniversário, pois, simmm, no domingo (dia 28) esse menino de luz que vos fala completa 19 aninhos de vida! 0/ Já os posts sobre a Bienal e todas as outras coisas legais que eu viver em São Paulo e achar interessante trazer pra cá vocês poderão conferir ao longo das próximas duas semanas. Além dos posts, também pretendo registrar as partes mais legais dessa viagem em vídeo, não vlog (ainda não tô preparado pra isso, rs!), mas sim uma série de Document Your Life, aquela compilação de vídeos curtinhos com uma trilha sonora de fundo que os youtubers geralmente usam pra documentar o que rolou de mais legal no mês. O que vocês acham da ideia? De uma coisa vocês podem ter certeza: o que não vai faltar ao longo desse período que estarei em Sampa é conteúdo legal aqui no blog (juro juradinho)!

Por fim, pra este post não ter apenas este aspecto mais pessoal, decidi fazer uma seleção com os livros mais legais que serão lançados nessa edição da Bienal do Livro. É claro que ao longo dos 10 dias de evento uma infinidade de livros vão ser lançados (e autografados), mas eu escolhi os que mais me interessaram e que de fato pretendo comprar (e ler). Vamos lá? 0/

Sonata em Punk Rock – Babi Dewet

Foto: Reprodução/Babi Dewet.

Foto: Reprodução/Babi Dewet.

O Som dos Sentimentos, que é o título do conto escrito pela Babi na compilação Um Ano Inesquecível (que também traz contos de Thalita Rebouças, Paula Pimenta e Bruna Vieira) foi a primeira coisa que li da autora e já me encantei por sua escrita logo de cara. Obviamente isso não aconteceu apenas comigo, já que o sucesso não apenas do conto como do livro inteiro em si foi instantâneo, o colocando nas principais listas de mais vendidos do país por semanas consecutivas e introduzindo Babi ao time de autores da Editora Gutenberg (editora responsável pelo lançamento de UAI). Logo após o projeto e sua calorosa aceitação do público, mais ou menos em meados do segundo semestre do ano passado, Babi oficializou sua entrada na editora e anunciou que lançaria em breve uma nova série de livros com temática musical, sendo a princípio três livros e cada um com histórias e personagens diferentes. Eis que esse ” em breve ” chegou e o primeiro volume da série Cidade da Música, intitulado de Sonata em Punk Rock, será lançado oficialmente nessa edição da Bienal do LivroSonata em Punk Rock gira em torno de Valentina Gontcharov ou Tim, como prefere ser chamada, que após ser aceita no conservatório de música mais famoso do país, o lugar capaz de realizar todos os seus sonhos, terá que superar seus medos e inseguranças e provar a si mesma do que é capaz. É também na Cidade da Música onde a garota conhece o arrogante e talentoso Kim (um coreano lindo e famoso!), que absolutamente não passará despercebido nessa história. Cidade da Música não é a primeira série com temática musical escrita por Babi, ela também já escreveu Sábado à Noite, que teve três volumes lançados pela Editora Generale.

Babi Dewet na Bienal do Livro de São Paulo

No dia 30/08 (terça-feira), às 19h, Babi estará na Arena Cultural BNDES em um bate-papo e sessão de autógrafos referente ao livro Um Ano Inesquecível juntamente das outras autoras, Thalita Rebouças, Paula Pimenta e Bruna Vieira (saiba mais sobre o evento clicando aqui). E nos dias 28/08 (domingo), às 17h, no estande do Grupo Autêntica e 04/09 (domingo), às 14h, no estande da Livraria Saraiva, Babi estará lançando e autografando o livro Sonata em Punk Rock, o primeiro volume da série Cidade da Música (saiba mais sobre o evento clicando aqui).

O Mundo de Dentro – Bruna Vieira em quadrinhos volume 2 – Bruna Vieira e Lu Cafaggi

Foto: Reprodução/Babi Dewet.

Foto: Reprodução/Babi Dewet.

Após o sucesso da parceria entre a autora Bruna Vieira e a ilustradora Lu Cafaggi na HQ Quando Tudo Começou – Bruna Vieira em quadrinhos, lançada na mais recente edição da Bienal do Livro Rio pela Editora Nemo, a dupla está de volta com a continuação O Mundo de Dentro – Bruna Vieira em quadrinhos volume 2. Dessa vez, apesar de permanecer retratando a ausência de muitos amigos na infância e pré-adolescência de Bruna, a HQ terá foco em uma festa, a primeira festa da turma da nova escola de Bruna. O mais legal da sinopse do livro é que a mesma revela que cada capítulo dessa HQ será narrado sob o ponto de vista de cada um dos personagens da história, revelando assim ainda mais detalhes sobre a tal festa, que acabou trazendo para Bruna uma grande surpresa. Eu simplesmente amei o primeiro volume de Bruna Vieira em quadrinhos, achei de uma delicadeza sem fim, mas confesso que gostaria de ter lido mais história, já que o foco do livro foram as ilustrações mescladas com diálogos curtinhos. Então a minha única ressalva para O Mundo de Dentro – Bruna Vieira em quadrinhos volume 2 é que invistam em diálogos mais longos e conexos.

Bruna Vieira e Lu Cafaggi na Bienal do Livro de São Paulo

Assim como Babi Dewet, no dia 30/08 (terça-feira), às 19h, Bruna estará na Arena Cultural BNDES em um bate-papo e sessão de autógrafos em prol do livro Um Ano Inesquecível juntamente de Thalita Rebouças e Paula Pimenta, que também fazem parte do projeto (saiba mais sobre o evento clicando aqui). E no dia 04/09 (domingo), último dia de Bienal, às 17h, Bruna e Lu estarão no estande do Grupo Autêntica para lançamento e sessão de autógrafos da HQ O Mundo de Dentro – Bruna Vieira em quadrinhos volume 2 (saiba mais sobre o evento clicando aqui).

Boa Noite – Pam Gonçalves

Foto: Reprodução/Babi Dewet.

Foto: Reprodução/Babi Dewet.

Em junho desse ano, a booktuber Pam Gonçalves fez sua estreia como autora com a compilação de contos O Amor Nos Tempos de #Likes, que também traz contos de Bel Rodrigues, Hugo Francioni e Pedro Pereira. E agora, na Bienal do Livro de São Paulo, Pam fará mais uma estreia no universo literário, dessa vez como autora solo, ao lançar o livro Boa Noite, publicado pela Editora Galera Record. Próximo Destino: Amor, que é como se chama o conto da autora em O Amor Nos Tempos de #Likes, é um amorzinho e super bem escrito e estruturado, logo estou bastante curioso pra ler um livro inteirinho só da Pam! Em Boa Noite, tudo o que Alina deseja é deixar pra trás os rótulos de boa aluna, boa filha, boa menina, que a acompanharam ao longo de todo o período do colégio. Com o início da faculdade e consequentemente de um novo momento na vida de Alina, ela decide se enturmar e começa a dar espaço pra festas, bebida e azaração, só que a garota está longe de saber a proporção da confusão que sua nova vida pode lhe colocar.

Pam Gonçalves na Bienal do Livro de São Paulo

No dia 31/08 (quarta-feira), às 19h, Pam participará de um bate-papo e sessão de autógrafos junto com a autora Carina Rissi na Arena Cultural BNDES (saiba mais sobre o evento clicando aqui). No dia 03/09 (sábado), às 13h, a autora estará no estande do Grupo Editorial Record para lançamento e sessão de autógrafos do livro Boa Noite (saiba mais sobre o evento clicando aqui). E, por fim, nos dias 03 e 04/09 (sábado e domingo, respectivamente), às 18h em ambos os dias, Pam estará no estande Edições SESC SP participando da palestra Laboratório Booktuber (saiba mais sobre o evento clicando aqui).

Muito Amor, Por Favor – Um Sentimento em Quatro Elementos – Arthur Aguiar, Frederico Elboni, Ique Carvalho e Matheus Rocha

Foto: Reprodução/Editora Sextante.

Foto: Reprodução/Editora Sextante.

Muito Amor, Por Favor – Um Sentimento em Quatro Elementos, publicado pela Editora Sextante, é sem nem pensar duas vezes um dos lançamentos literários mais interessantes dessa edição da Bienal do Livro. O livro, que é dividido em quatro partes – O Amor é ÁguaO Amor é ArO Amor é Fogo O Amor é Terra -, traz textos reflexivos sobre o amor, viver a dois e a natureza das relações em todos os seus aspectos. E é escrito por um quarteto de autores masculinos que arrisco em dizer que ninguém nunca imaginou como um quarteto: Arthur Aguiar, que escreve O Amor é Água; Frederico Elboni (Um Sorriso ou Dois – Para Mulheres Que Querem Mais), que escreve O Amor é Ar; Ique Carvalho (Faça Amor, Não Faça Jogo), que escreve O Amor é Fogo; e, por último, mas não menos importante, Matheus Rocha (No Meio do Caminho Tinha um Amor), que escreve O Amor é Terra. De uma coisa vocês podem ter certeza: o que não vai faltar nesse livro é (muuuito) sentimento!

Arthur Aguiar, Frederico Elboni, Ique Carvalho e Matheus Rocha na Bienal do Livro de São Paulo

No dia 02/09 (sexta-feira), às 14h, Arthur, Frederico, Ique e Matheus estarão na Arena Cultural BNDES para bate-papo e sessão de autógrafos referente ao livro Muito Amor, Por Favor – Um Sentimento em Quatro Elementos (saiba mais sobre o evento clicando aqui).

Outros lançamentos literários

Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

 

E aí, o que vocês acharam da supernovidade compartilhada nesse post? Vocês vão em algum dos dias da Bienal? O que acharam da minha listinha com os lançamentos literários mais legais dessa edição do evento? Qual vocês estão mais curiosos pra ler? Eu quero saber de tudo nos comentários, combinado? Até o próximo post! 😉

Saída fotográfica: Pelourinho/Salvador

julho 18, 2016

Eu mal posso acreditar que finalmente estou escrevendo este post, o qual eu já havia prometido subir aqui no blog há muuuito tempo, mas, como nada se pode procrastinar pra sempre, vamos falar mais detalhadamente sobre a minha saída fotográfica para o Pelourinho, que aconteceu no dia 14 de maio (um sábado), isso mesmo, produção, há mais de dois meses atrás! O.O

A minha mais recente visita ao Pelourinho, que se trata de um dos principais senão o principal ponto turístico de Salvador, que é a que está em pauta no momento, foi realizada com uma finalidade pedagógica (e não apenas a de turistar, hehe). No início do semestre letivo, na faculdade, a minha professora da disciplina Práticas Investigativas Interdisciplinares, Patricia, solicitou aos alunos da minha turma que fizéssemos uma pasta (uma espécie de coletânea de arquivos), contendo uma determinada quantidade de resenhas, resumos e fichamentos de livros e artigos sobre Comunicação, filmes cult estrangeiros e saídas culturais – como visita a museus, exposições, projetos sociais e tudo mais que estivesse dentro do perfil da pasta, sendo essa última atividade chamada de atividade plus. O prazo para entrega da pasta finalizada seria no final do semestre letivo.

Como o Pelô é recheado de museus e exposições legais, lá seria um lugar ideal para que visitássemos todos juntos, apesar de que acredito que cada um de nós tenha ido lá antes pelo menos uma vez na vida! A ideia era que visitássemos quatro dos principais museus distribuídos pelo Pelô, foram eles, em ordem de visita: Museu da Misericórdia, Palácio Rio Branco, Memorial das Baianas e Museu da Gastronomia Baiana.

O nosso roteiro começou logo no iniciozinho da manhã, ainda na faculdade, onde combinamos de nos encontrar. Lá tomamos café da manhã juntos, o que achei bem legal, e fomos pegar a van fretada que nos levaria ao nosso destino final. Assim como nos passeios de colégio, é nesse momento de locomoção de um lugar a outro em que acontecem as melhores resenhas, hehe! E, acreditem, resenhar é uma coisa que a minha turma sabe dar conta (e muito bem!)… Dentro de poucos minutos, lá estávamos nós no Pelourinho, onde a van fretada nos deixou e onde encontramos Mônica, guia turística da empresa Turismo & Afins, muito simpática e solícita, por sinal, que nos acompanharia pelo nosso tour.

A primeira parada do nosso tour aconteceu em frente ao monumento da Cruz Caída, localizado na Praça da Cruz Caída, onde Mônica aproveitou para se apresentar, explicar como funcionaria o nosso roteiro e falar um pouco mais sobre o processo de colonização de Salvador pelos europeus na antiguidade e como alguns dos pontos que visitaríamos a seguir serviram como palco pra todo esse processo.

Logo em seguida, visitamos os quatro museus mencionados anteriormente (falarei melhor sobre cada um deles abaixo), sendo que em todos eles fomos orientados e guiados pelos próprios guias desses locais, que também explicavam detalhadamente sobre as principais exposições dos museus, com Mônica ainda nos acompanhando. De determinados pontos de alguns desses museus, também era possível se ter uma visão periférica de outros pontos turísticos da cidade, como o Elevador Lacerda, o Mercado Modelo, a Baía de Todos Os Santos e o Forte de São Marcelo, que foi como presenciar com os olhos elementos da maioria dos cartões-postais de Salvador reunidos. <3

Tudo estava indo muito bem até que um outro guia turístico, cujo nome não me recordo agora, se juntou a nós mais ou menos na metade do nosso roteiro, durante a nossa passagem pelo Palácio Rio Branco (segundo museu que visitamos). Ele foi extremamente inconveniente e até mesmo desnecessário em alguns momentos e colocações, conduziu a situação como se estivesse lidando com pré-adolescentes de ensino fundamental em um passeio de colégio. Praticamente nos obrigava a prestar atenção no que explicava o tempo inteiro, chamava a nossa atenção por qualquer coisa e reclamava até se tirássemos uma simples foto, uma verdadeira pedra no nosso caminho! Isso tornou a nossa excursão um tanto quanto chata e massante, fazendo até com que quiséssemos finalizar as visitas antes do esperado, mas demos continuidade… :/

Esse mala nos restringiu tanto depois que se juntou a nós que destruiu até os meus planos de dar altos closes pelas ruas do Pelô, acabaram só rolando alguns, bem poucos… Mas, em compensação, consegui tirar uma série de fotos conceituais maravilhosas! #amém Muitas delas vocês já devem ter visto no meu feed do Instagram, onde eu postei as melhores, mas vocês também poderão ver as que eu já postei e outras ainda nesse post… Foto é o que não faltou nessa nossa saída fotográfica pelo Pelô!

De uma forma geral, a nossa saída fotográfica/rolê turístico pelo Pelourinho foi ótima e super válida! (; Apesar do aspecto negativo que foi o guia turístico sem noção que pegou o bonde andando, foi maravilhoso poder estar no Pelô novamente e dessa vez com meus migos e migas da faculdade, o que tornou toda a coisa ainda mais divertida! E, claro, também foi ótimo poder conhecer um pouquinho mais sobre a história dos museus, exposições e monumentos visitados!

Acabou que, no fim das contas, eu acabei nem entregando a minha pasta pronta para a professora, o que me fez perder direto em sua disciplina, do que me arrependo, é óbvio, mas somou a minha procrastinação de sempre com o meu desânimo em relação à faculdade e deu no que deu! :/ Porém, ainda assim, foi uma experiência que valeu a pena! Até porque eu simplesmente AMO ir ao Pelourinho, inclusive é lá onde sinto que realmente moro na Bahia, sabiam? Sempre que vou fico encantado em como as ruazinhas de pedra, as casinhas retrô coloridas, a diversidade das pessoas que por lá transitam representam tão bem a cultura de Salvador e da Bahia como um todo! <3 A seguir falarei mais sobre cada um dos quatro museus visitados e darei a vocês uma surra de fotos dessa minha mais recente saída fotográfica… Bora lá? 0/

Museu da Misericórdia

O atual centro cultural, nomeado de Museu da Misericórdia, um dos espaços culturais mais importantes da Bahia, está instalado onde era, na verdade, o hospital Santa Casa de Misericórdia.

Com ampla estrutura e uma fachada externa belíssima, o museu abriga uma série de pinturas, esculturas e objetos, de origem brasileira e portuguesa, a grande maioria exprimindo temas religiosos. As obras de arte encontradas no museu foram doações de benfeitores da igreja, que acreditavam que, ao fornecer as obras, se libertariam dos pecados que haviam cometido. Curioso, né?

E, sem dúvidas, a obra de arte de maior destaque do museu é a estátua da Misericórdia, localizada bem no centro do salão principal da instalação.

Entretanto, além das obras ligadas à arte sacra, também encontram-se expostos no museu artigos de luxo, entre eles aparelhos de jantar e lustres.

Uma das partes do museu que eu mais gostei de visitar foi a ala hospitalar. Foi bem legal ver todos aqueles frascos de remédio e aparelhos usados em procedimentos médicos sabendo que aquele lugar realmente já foi um hospital de verdade um dia.

Informações gerais sobre a visitação do museu:

O Museu da Misericórdia localiza-se na Rua da Misericórdia, 6 – Praça da Sé, Salvador – BA e seu horário de funcionamento é, de segunda à sexta, das 08h30 às 17h30 e sábado, das 09h às 17h. Para saber mais informações no site oficial do museu clique aqui.

Palácio Rio Branco

Localizado na Praça Tomé de Sousa, o Palácio Rio Branco trata-se da antiga sede do governo da Bahia e um dos mais antigos palácios do Brasil.

Construído inicialmente por Tomé de Sousa, primeiro governador geral do Brasil, em meados do século XVI, o espaço passou por uma série de reformas até chegar à configuração atual, uma delas em função de um bombardeio realizado na cidade de Salvador, a mandato do presidente da república da época, Hermes da Fonseca, deixando a maior parte do palácio devastada.

Apesar de ter sido idealizado para ser o centro da administração portuguesa, o palácio já apresentou várias funções, como quartel e prisão. Inclusive abrigou Dom Pedro II, em uma de suas visitas à Bahia.

Hoje em dia, o palácio, nomeado de Rio Branco como forma de homenagear Barão do Rio Branco, um dos maiores estadistas brasileiros, expõe vários pertences de governadores baianos, incluindo um salão apenas com quadros de pinturas desses governadores, um dos espaços de maior destaque do palácio.

Apesar de sua construção externa também ser bastante bonita, o que chama a atenção mesmo quanto à arquitetura do lugar é uma escadaria de ferro e cristal, de origem francesa, que dá acesso a um dos salões da instalação. Salão esse localizado em uma das áreas do palácio que, infelizmente, se encontra interditada.

Uma das exposições que mais gostei do palácio foi uma que mesclava fotos de pessoas reais com pintura, achei bem artístico.

Informações gerais sobre a visitação do museu:

O Palácio Rio Branco está situado na Ladeira da Praça, S/N – Centro, Salvador – BA e seu horário de funcionamento é, de terça à quinta, das 10h às 15h e sábado, das 13h30 às 17h.

Memorial das Baianas

Inaugurado em junho de 2009, o Memorial das Baianas está situado em paralelo à Praça da Cruz Caída, já mencionada anteriormente nesse mesmo post.

Também chamado de Memorial da Baiana de Acarajé, o espaço possui como objetivo expor e documentar a tradição e história das mulheres que faziam e comercializavam a mais famosa comida típica da Bahia, o acarajé. E esse objetivo é cumprido, pois, ao longo da exposição, encontramos vários adereços, artesanatos, instrumentos gastronômicos e muito mais objetos relacionados às baianas e ao acarajé.

Considerado Patrimônio Cultural do Brasil, o espaço, que é infinitamente menor do que os museus citados acima (e, para a alegria de todos, é climatizado!), é uma ótima oportunidade para conhecer mais sobre as baianas, essa marca tão importante na cultura da Bahia.

O que eu achei mais interessante ver no Memorial das Baianas foi a transição da produção do acarajé da antiguidade até os dias atuais. Antigamente, era preciso muito mais trabalho braçal e força mesmo do que hoje.

Informações gerais sobre a visitação do museu:

O Memorial das Baianas localiza-se na Praça da Cruz Caída, S/N – Centro, Salvador – BA. Não encontrei o horário de funcionamento disponível na internet, mas o telefone para contato é (71)33229674.

Museu da Gastronomia Baiana

Instalado bem no centro do Pelourinho, o Museu da Gastronomia Baiana foi inaugurado em agosto de 2006 pelo SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) e possui como finalidade apresentar ao mundo a culinária tão peculiar característica da cultura baiana.

Ao longo da exposição, encontramos vários artefatos que remetam à culinária baiana como fotografias de grandes fotógrafos e maquetes que possuem como temática maneiras de comer, as festas de largo, as baianas de acarajé e a diversidade de comer na rua, na casa, na festa e em cerimônias religiosas como um todo, instrumentos de cozinha antigos, homenagens à personalidades que fizeram parte da construção da história da gastronomia baiana e muito mais.

Já a arquitetura do espaço é um show à parte! O salão de entrada do museu é revestido por Muralhas de Santa Catarina, o mais antigo e importante marco arqueológico de Salvador. Há também um cuidado maior com a iluminação do ambiente… É realmente um cenário bem bonito de se ver! Assim como o Memorial das Baianas, aqui a instalação também é pequena e o ambiente também é climatizado.

Gostei de saber um pouco mais sobre as especiarias baianas, algumas que inclusive eu nem sabia que existiam.

Informações gerais sobre a visitação do museu:

O Museu da Gastronomia Baiana está situado na Praça José de Alencar, 13/19 – Largo do Pelourinho, Salvador – BA e seu horário de funcionamento é de segunda à sábado, das 09h às 17h.

 

 

Informações importantes sobre os museus:

Achei importante relatar por meio deste que os museus mencionados acima, principalmente o Museu da Misericórdia e o Palácio Rio Branco, assim como o Monumento da Cruz Caída, estão com o seu estado de conservação um pouco decadentes, necessitando de reformas.

E o Pelourinho como um todo é um ponto um pouco perigoso de Salvador, onde ocorrem muitos assaltos. Inclusive eu mesmo presenciei um em frente ao Monumento da Cruz Caída, antes de eu e meus amigos da faculdade entrarmos no Memorial das Baianas. Logo se faz necessário um cuidado maior com os seus pertences, ok?

 

E aí, o que acharam da minha saída fotográfica pelo Pelourinho? Qual dos museus que eu visitei vocês mais acharam interessante e ficaram com vontade de visitar também? Já estiveram em algum deles? Quais outros pontos turísticos de Salvador vocês gostariam que eu visitasse e falasse sobre aqui no blog? Me contem tudo nos comentários! Eu vou adorar ler e responder! 😉

Saída fotográfica: Praça Mauá/Rio de Janeiro

abril 19, 2016

Este é o último post referente ao tour turístico que eu e Patrícia fizemos no sábado retrasado (dia 9) por alguns pontos do Rio, infelizmente (#todoschoram). Na semana passada subi aqui no blog posts bem detalhados e recheados de fotos sobre o Museu do Amanhã e sobre a Escadaria Selarón, as duas primeiras paradas do nosso tour, que vocês podem conferir clicando aqui e aqui. Logo o último post dessa série deveria ser sobre a última parada da nossa saída fotográfica, que foi o Parque Lage, parque público localizado aos pés do morro do Corcovado, na rua Jardim Botânico, de onde não conseguimos passar nem da entrada graças à um bendito casamento que estava rolando lá no dia e que fez a visitação do parque se encerrar mais cedo ao público geral. Ficamos desapontados? Ficamos! Desejamos mentalmente que aquele casamento que barrou a nossa visita ao parque terminasse em divórcio? Calma lá, também não somos tão cruéis à tal ponto, vai! Mas tudo bem, afinal oportunidade é o que não vai faltar, e assim que rolar conhecer o Parque Lage podem ficar tranquilos que contarei tudo sobre aqui, viu?

Então como não rolou conhecer o Parque Lage dessa vez e como vimos na Praça Mauá, aonde se localiza o Museu do Amanhã, nossa primeira parada do dia, muitos cenários legais para modelar, por quê não finalizar essa série lindona de posts com um especialmente para as fotos tiradas na praça? Até porque eu não queria que o post sobre o Museu do Amanhã, onde essas fotos poderiam entrar, se tornasse pesado demais para visualização. Falando de forma bem sucinta sobre a Praça Mauá, esta localiza-se no centro da cidade do Rio de Janeiro, à beira da – polêmica – Baía de Guanabara, marcando o início da Avenida Rio Branco e da Zona Portuária. Apesar de não constituir um cartão postal tão característico da cidade, é de grande interesse dos turistas em função da estátua de Irineu Evangelista de Souza, conhecido como Barão de Mauá, industrial pioneiro do Brasil, além de um letreiro todo colorido com a escrita ” Cidade olímpica ”, em função de a cidade sediar os jogos olímpicos e paraolímpicos desse ano, à serem realizados entre os dias 5 e 21 de agosto, e do Museu do Amanhã ao fundo. Vamos aos closes, rs? o/

 

 

Créditos: Assim como nos posts sobre o Museu do Amanhã e sobre a Escadaria Selarón, muitas das fotos desse post foram tiradas pela minha maravilhosa amiga Patrícia, que como já foi mencionado aqui no blog tem um canal mega divertido no YouTube, o Não Seja Menas, que você pode conferir clicando aqui.

E aí, o que acharam do último post sobre esse tour turístico pela cidade maravilhosa? Espero que tenham gostado de saber um pouco mais sobre esses 3 pontos que visitei e de todas as fotos! Tô pensando em marcar uns rolês por alguns pontos daqui de Salvador com uns amigos blogueiros! Por onde vocês gostariam que eu passasse? Me contem nos comentários! Até mais ver! 😉

Saída fotográfica: Escadaria Selarón/Rio de Janeiro

abril 16, 2016

Dando sequência aos posts sobre o rolê turístico que eu e Patrícia fizemos juntos por alguns pontos do Rio no último sábado (dia 9), é chegada a vez de falar um pouco mais sobre a nossa passagem pela Escadaria Selarón. A Escadaria, que fica entre os bairros da Lapa e de Santa Teresa e que se trata de um dos principais cartões postais da cidade, sempre esteve presente na minha listinha de lugares do Rio que eu gostaria de conhecer, mas sabe-se lá o motivo sempre posterguei essa visita, que é o que faço com quase tudo na vida, ” postergar ”, hahaha… Lembro que sempre ficava encantado com as fotos que via na internet do lugar, fascinado por todas aquelas cores vibrantes e toda aquela diversidade estética que a Escadaria apresenta aos seus visitantes. Como eu havia planejado um roteiro de lugares cult do Rio que eu ainda não conhecia para essa minha viagem mais recente à cidade, obviamente não poderia deixar de fora esse lugar maravilhoso que sempre foi do meu encanto e, finalmente, rolou (eu ouvi um ” amém ”, rs?)! 0/

A Escadaria, obra do artista chileno Jorge Selarón, que inclusive já serviu de cenário para clipes de U2 e Snoop Dogg, foi a segunda parada do nosso tour, logo após a nossa visita ao Museu do Amanhã (que já ganhou um post lindão recheado de informações e fotos, assim como este, que você pode conferir clicando aqui). Assim que chegamos lá, por volta de 15 pras 16h da tarde, não sei dizer ao certo se nos deparamos com mais gringos ou com mais cores, rs. Presenciamos turistas do mundo inteiro, inclusive naturais e moradores da própria cidade, espalhados pelos 125 metros de altura que abrangem a Escadaria, querendo tirar uma casquinha de cada cantinho colorido da construção. Também foi bem legal de se ver músicos de rua, gringos ou não, dispostos em vários pontos da Escadaria, realizando suas performances em variados instrumentos e gêneros musicais, muito provavelmente inspirados pelo colorido da construção, que de fato inspira qualquer um que passe por lá, o que acrescenta ainda mais ao clima urbano e multicultural que conferem à Selarón. É possível encontrar também por lá vários vendedores de artesanato oferecendo aos visitantes lembrancinhas típicas da cidade, como chaves com os principais pontos turísticos do Rio entalhados, azulejos estampados com a sua foto tirada na hora no centro da Escadaria, entre muitas outras coisas. E o legal também é que nas ruas localizadas nas redondezas da construção ainda podem ser encontradas várias pichações lindíssimas, do ponto de vista artístico, que obviamente serviram como cenários de muitos dos closes que vocês encontrarão mais adiante nesse post, hehehe…

E sobre a Escadaria em si, eu simplesmente amei conhecer e fiquei mais encantado ainda! Acho que de todos os pontos turísticos do Rio que já conheci, é o que mais bem consegue representar a cidade, afinal em cada porçãozinha de espaço daquele lugar há uma cor, uma pintura, um detalhe diferente, representando toda a diversidade cultural que é característica da cidade do Rio de Janeiro. Amor demais por essa Escadaria, gente! <3 Vamos às constatações fotográficas de tudo isso, rs? 0/

 

 

Informações gerais sobre a visitação da Escadaria:

Como foi dito anteriormente, a Escadaria Selarón localiza-se entre a rua Joaquim Silva, no bairro da Lapa, e a rua Pinto Martins, no bairro de Santa Teresa. Fica à apenas 5 minutos à pé dos Arcos da Lapa, outro ponto turístico da cidade. A Escadaria possui acesso livre ao público, então não é necessário comprar bilhete de acesso ou algo do tipo. Vale ressaltar que muitos visitantes que já passaram pela Escadaria reclamam de assaltos em suas redondezas, portanto é bom tomar cuidado com seus pertences de valor durante a visita ao local, ok?

Créditos: Assim como no post sobre o Museu do Amanhã, muitas das fotos desse post foram tiradas pela minha maravilhosa amiga Patrícia, que como já foi mencionado aqui no blog tem um canal mega divertido no YouTube, o Não Seja Menas, que você pode conferir clicando aqui.

E aí, gostaram do post sobre mais um ponto turístico da cidade maravilhosa? O que acharam da Escadaria Selarón? Ficaram curiosos para conhecer ou já conheceram? Compartilhem tudo isso comigo nos comentários! Até a próxima! 😉

Navegue nas páginas12

Papo de Matheus • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por