3 fotos: Surra de sorvete, mais livros e lembrancinhas da Colômbia

maio 23, 2016

Aqui, nesta sessão fixa do blog, postarei os três acontecimentos destaques da minha semana através de três fotos referentes aos mesmos.

1 – Surra de sorvete:

 

A foto acima representa muito mais do que uma simples porção (bem exuberante, diga-se de passagem, rs) de sorvete, afinal marcou o meu reencontro com amigos que eu não via há muuuito tempo. Amigos esses que estudaram comigo no Mendel, o colégio que estudei assim que mudei pra Salvador, há seis anos atrás, com exceção do Caio, que nunca foi meu amigo de colégio. O fato é que Paula, a amiga do Mendel com a qual mais mantive contato (<3), que inclusive se mudou com a família pra Niterói, cidade do Rio de Janeiro, quando eu ainda estava estudando no colégio em questão, veio mais uma vez visitar a Bahia fora de época com os pais e a cachorrinha dela que é uma fofura, Espuma (queria pra mim). E sempre que ela vem passar uns dias aqui consegue reunir os amigos mais próximos, muitos deles do Mendel, o que inclui a mim. E os reencontros que rolam a partir daí são sempre muito legais. E dessa vez não foi diferente. Eu, Paula e Caio, que conheci através de Paula, fomos colocar o papo em dia na barraca Buraco da Velha, uma das mais conhecidas da Praia de Vilas, onde também assistimos com uma certa repulsa Paula comer dois caranguejos em duas horas, rs (odeio qualquer tipo de fruto do mar, sério). Em seguida, Paola, que também estudou comigo e com Paula no Mendel, se juntou a nós e fomos na Doce Gelato, a minha sorveteria favorita aqui do bairro. Lá quase tive uma overdose de glicose com essa surra de sorvete que vocês podem ver acima, confesso que talvez eu tenha exagerado um pouquinho (ou muito, rs) na quantidade, mas fazer o que, né migos? Eu simplesmente AMO sorvete! Na foto ele ainda está intocável e bonitinho, mas depois virou uma massa homogênea que meus caros amigos apelidaram de cimento (não me perguntem o motivo). Mais tarde ainda fomos pro antigo condomínio de Paula, onde jogamos Adivinha no app do meu iPhone, é aquele joguinho em que se posiciona o celular na testa e se tenta descobrir o que é a partir das dicas dos amigos, clássico quando não se tem muito o que fazer, rs. Claramente foi a melhor parte e a que mais rendeu risadas do dia! Adoro quando esses reencontros, que infelizmente são bem esporádicos, acontecem, a gente faz e ri de tanta idiotice em larga escala que nem sei explicar, rs! Pena que dessa vez não tivemos Giovanna, Giu, Laura e Isadora conosco, pelo menos não nesse dia!

2 – Mais livros:

 

Mais cedo eu e minha mãe fomos ao Shopping Paralela e, como geralmente acontece quando vamos ao shopping juntos, enquanto ela bate perna por uma infinidade de lojas de roupa e sapato (mesmo na real só comprando uma coisa ou outra), eu fico na livraria me perdendo no meio de todas aquelas tentações literárias, hehe. E exatamente dessa forma foi feito hoje! E, assim como no final de semana passado, comprei mais livros, mas dessa vez sem peso na consciência porque realmente fui focado no que comprar e não me deixei seduzir pelas várias outras coisas que tinham lá e que eram do meu interesse (é assim que se faz, garoto!). Comprei dois lançamentos que eu já quero há bastante tempo, logo são prioridades de compra: Confissões de uma Garota Excluída, Mal-amada e (um pouco) Dramática, da Thalita Rebouças, publicado pela Editora Arqueiro e O Livro do Bem 2 – Para se aventurar e ver o mundo com outros olhos, das meninas do Indiretas do Bem, Ariane Freitas e Jessica Grecco, publicado pela Editora Gutenberg. Nem sei como minha mãe deixou eu comprar dois livros sendo que ela sabe que tenho uma infinidade de outros ainda não lidos aqui, ainda mais com tanta facilidade! Valeu, mãe! 😉 Pretendo ler o livro da Thalita muito em breve já que no dia 19/06 rola lançamento e sessão de autógrafos referente a ele aqui em Salvador, o que já está me deixando ansioso desde já (saibam mais sobre o evento clicando aqui)! E também em breve pretendo começar a preencher o livro das meninas do Indiretas do Bem, dessa vez com mais consciência e disciplina comparado ao primeiro O Livro do Bem, lançado em 2014, que simplesmente caguei (tragic, but true). Tô claramente in love pelas minhas aquisições literárias da vez, e espero que muito em breve eu possa estar resenhando sobre essas duas lindezas aqui pra vocês! Ah, o legal de O Livro do Bem 2 é que ele vem com algumas tags, então a ideia é que eu responda elas aqui no blog durante a leitura do livro! Que tal? 0/

3 – Lembrancinhas da Colômbia:

 

Minha mãe, Angela, e meu padrasto, Miguel, que amam viajar para destinos exóticos, acabaram de voltar da Colômbia, onde passaram pouco mais de uma semana. Obviamente fiquei com inveja gospel deles, afinal mesmo a Colômbia não sendo um dos meus destinos dos sonhos, como Nova York, Orlando e Brisbane, por exemplo, é uma viagem internacional e um lugar com uma cultura diferente a ser explorada. Podiam ter me levado escondido na mala? Podiam! Mas é claro que também fiquei feliz por terem riscado mais um lugarzinho do mundo que queriam conhecer, e pela viagem ter sido tão bacana, como pude perceber pelas histórias e fotos que os dois trouxeram. Fotos essas de deixar qualquer um babando e querendo pegar o primeiro avião pra lá, rs! À fim de se redimir por não terem me carregado com eles na viagem, trouxeram algumas lembrancinhas de lá, então estão perdoados, rs! Tiveram dificuldade de encontrar lembrancinhas típicas da Colômbia, mas trouxeram algumas besteirinhas mesmo só pra ficar claro que lembraram de mim (amô demais! <3). Trouxeram um tubo de confetes de chocolate chamado Smarties, da Nestlé, que ainda vem com um Mike Wazowski, de Monstros S.A., sentado em uma pilha de livros (me identifiquei, rs), no topo da embalagem, uma caixinha com 18 pedaços do chocolate suíço Lindt, que aparenta ser uma delícia, e duas canetas pretas comuns decoradas com tecido colorido e dois chapéus em suas bases. Fica a dica aí então, amigos, eu simplesmente AMO lembrancinhas de viagem! <3 Anotaram?

 

E aí, o que acharam do 3 fotos dessa semana? São viciados e descontrolados por sorvete assim como euzinho aqui? Também gostariam de ter e ler as minhas aquisições literárias desse fim de semana? Também são apaixonados por lembrancinhas de viagem assim como eu? Quero saber tudo isso de vocês nos comentários! É pra contar mesmo, viu? Até o 3 fotos da próxima semana! Beijos! <3

3 fotos: Pelourinho, sessão tripla no cinema e Faça Amor, Não Faça Jogo

maio 15, 2016

Aqui, nesta sessão fixa do blog, postarei os três acontecimentos destaques da minha semana através de três fotos referentes aos mesmos.

1 – Pelourinho:

 

Ontem (sábado), eu e meus migos e migas da faculdade realizamos uma excursão ao Pelourinho, um dos principais senão o principal ponto turístico de Salvador, localizado no centro da cidade. O Pelourinho é um lugar onde raramente vou, já que fica um tanto distante de onde moro, mas obviamente isso não me impede de achar o lugar lindo e extremamente diversificado culturalmente falando, inclusive é lá onde sinto que realmente moro na Bahia, rs! A última vez que me lembro de ter ido lá foi no início de 2013, quando minha melhor amiga de infância, Letícia, veio conhecer e passar uns dias em Salvador, ou seja, há bastante tempo atrás! Dessa vez eu e o pessoal da faculdade fomos porque no final do semestre, que a propósito já está bem próximo (#melevasenhor), teremos que entregar uma pasta, uma espécie de coletânea, com resumos, resenhas e fichamentos de livros, artigos, filmes e visitas à exposições/outros passeios culturais. Sendo isso uma das avaliações da disciplina de Práticas Investigativas Interdisciplinares, que por sinal é uma das que preciso recuperar ponto, rs! Fomos com o intuito de conhecer 4 museus localizados no Pelourinho, o que se transformaria em mais conteúdo pra sessão de visitas à exposições/outros passeios culturais da nossa pasta. No nosso tour, que aconteceu de manhã e durou cerca de 4 horas, tivemos o acompanhamento de uma guia turística que nos explicou um pouco mais sobre o processo de colonização da cidade e sobre cada um dos pontos visitados e a visita aos pontos de maior relevância do Pelô, como o Monumento da Cruz Caída, o Museu da Misericórdia, o Museu da Gastronomia Baiana, entre outros. Praticamente tudo isso com vista para o Elevador Lacerda, a Baía de Todos os Santos e o Forte de São Marcelo, outros pontos que não podem ficar de fora do roteiro de quem quer visitar Salvador. A excursão em si foi bem legal, principalmente por poder voltar novamente ao Pelourinho e fazer isso junto dos migos e migas da faculdade, o que tornou tudo bem divertido, mas ao mesmo tempo foi bastante cansativo e até um pouco massante, principalmente por conta de um guia turístico que assumiu as rédeas do tour depois que era um tanto inconveniente, digamos assim. Não consegui dar muitos closes já que era uma excursão coletiva, mas logo logo teremos uma surra de fotos conceituais aqui no blog e lá no meu feed do Instagram, hehe! E ao longo dessa semana pretendo subir aqui um post com todos os detalhes e as fotos mais legais desse tour pelo Pelourinho, podem aguardar! 0/

2 – Sessão tripla no cinema:

 

Também ontem, logo depois da excursão ao Pelourinho, eu e minha amiga Carol, que alimentamos juntos uma amizade linda desde o 9º ano do ensino fundamental, lá em 2012, quando nos conhecemos, nos reencontramos em grande estilo: Fomos assistir 3 filmes no cinema (!), sim, eu realmente disse 3 filmes, rs! Nós dois somos cinéfilos de carteirinha e amamos exercer esse papel juntos, tanto que vira e mexe vamos ao cinema assistir 2 filmes, mas 3 de vez é algo realmente raro, rs! Havíamos combinado de assistir Angry Birds – O FilmeO Caçador e a Rainha do Gelo Guerra Civil, este último pela segunda vez no meu caso, já que já havia assistido na semana passada, inclusive foi um dos tópicos do último 3 fotos aqui do blog, que vocês podem conferir clicando aqui. Não curto muito assistir filmes repetidos no cinema, mas como Carol queria muito assistir e eu havia gostado, topei! Na hora de comprar os ingressos decidimos trocar Angry Birds – O Filme por Martyrs, cujo gênero é terror, já que Carol não estava muito afim de assistir Angry Birds – O Filme e eu queria sentir um pouco de adrenalina, rs. Começamos a nossa sessão tripla de cinema com Martyrs na sessão de 17h05, nós dois gostamos do filme, apesar de não seguir o estilo de filmes de terror que eu curto assistir, com espíritos. Esse é mais centrado em questões como tortura, massacre e sacrifício físico, tipo Jogos Mortais. Mas o enredo em si é bom, principalmente o final, no qual tudo que o telespectador quer é que o personagem principal consiga cumprir seu objetivo. O filme não dá susto, mas têm umas cenas bem fortes e pesadas, de sacrifício físico, o que justifica a classificação ser 18 anos (!), algo bem raro hoje em dia, pelo menos no Brasil. Logo depois foi a vez de assistirmos O Caçador e a Rainha do Gelo, na sessão de 19h20. Também aprovamos o filme, mas ambos não conseguimos compreender muito bem a conexão desse com o anterior, Branca de Neve e o Caçador, de 2012, protagonizado por Kristen Stewart. Estava com saudade de ver o mozão Chris Hemsworth nas telonas, hehe! Guerra Civil encerrou a nossa sessão tripla de cinema do dia, na sessão de 22h. Carol gostou do filme, e eu consegui captar algumas coisas que não havia conseguido da primeira vez que assisti, no final de semana anterior. Acho que é essa a grande vantagem de se assistir à um filme mais de uma vez, rs! Sinceramente, não sei como aguentei assistir 3 filmes consecutivos no cinema, ainda mais depois de uma excursão ao Pelourinho um tanto cansativa, cheguei em casa pouco mais de 01h da manhã morto de cansado, mas valeu à pena, ainda mais compartilhando isso com Carol! <3 Em breve também teremos resenhas dos 3 filmes aqui no blog, ok? Ok!

3 – Faça Amor, Não Faça Jogo:

 

O terceiro e último tópico desse 3 fotos absolutamente não estava nos meus planos, mas acabou acontecendo – e a culpa não foi minha, juro! O menino dono de um blog aí que já têm pouco mais de 20 livros comprados e ainda não lidos em casa acaba de aumentar sua coleção! Apesar de ter prometido que ao longo desse ano só compraria livros que realmente fossem prioridade, sim, meus caros, eu comprei mais um livro aleatório! O que não é nem um pouco legal, mas desculpável já que se trata de um livro que eu já queria muito há algum tempo! A aquisição literária da vez foi Faça Amor, Não Faça Jogo, do Ique Carvalho, autor do blog The Love Code, que vocês podem acessar clicando aqui. Além da fonte da capa ser maravilhosa (e que super contrastou com o vermelho vivo), o livro ainda traz uma coletânea de textos curtinhos lindíssimos e um tanto inspiradores sobre a vida e o amor! Só pelos dois primeiros textos do livro, que li ainda dentro da livraria onde comprei, fiquei apaixonado pelo olhar sensível que o Ique tem sobre as coisas do cotidiano, sobretudo as mais simples! Inclusive foi o que me fez comprar logo o livro, o que eu já estava postergando há bastante tempo! Faça Amor, Não Faça Jogo foi publicado pela Editora Gutenberg em 2014. Pretendo iniciar a minha leitura logo nessa semana e prometo que assim que concluir conto todas as minhas impressões aqui! <3

 

E aí, o que acharam do 3 fotos dessa semana? Vocês já visitaram ou têm vontade de visitar o Pelourinho? Qual foi o recorde de vocês no quesito filmes assistidos no cinema em um único dia, rs? Já leram ou gostariam de ler Faça Amor, Não Faça Jogo? Me contem tudo nos comentários! Eu vou adorar saber! Até o 3 fotos da semana que vem! Beijos! 😉

Tudo sobre a minha cirurgia de remoção dos sisos

maio 12, 2016
Foto: Reprodução/Pixabay.

Foto: Reprodução/Pixabay.

Como prometido no post do Resumo mensal de abril (que vocês podem conferir clicando aqui), no qual falei sobre o assunto mais superficialmente, neste post contarei com detalhes como se deu todo o processo da minha cirurgia de remoção dos sisos, desde a solicitação da retirada deles pela minha ortodontista até o pós-operatório.

Primeiramente, precisamos esclarecer o que vem a ser os dentes sisos, já que muita gente tem um conhecimento bastante deturpado a respeito deles, inclusive eu, que no passado não sabia ao certo o motivo desses dentes nascerem tão tarde e de, em grande parte dos casos, precisarem ser removidos. Então vamos lá… De acordo com o Centro de Cuidado Bucal da marca Colgate, os dentes do siso são os últimos molares de cada lado dos maxilares. São também os últimos dentes a nascer, geralmente entre os 16 e 20 anos de idade. Como os dentes do siso são os últimos dentes permanentes a aparecer, geralmente não há espaço suficiente em sua boca para acomodá-los. Isto pode fazer com que os dentes do siso fiquem inclusos – dentes presos embaixo do tecido gengival por outros dentes ou osso, ou podendo causar inchaço ou dor. Os dentes do siso que erupcionam apenas parcialmente ou nascem mal posicionados também podem causar apinhamento – posicionamento desfavorável dos dentes na arcada dentária, ocasionando problemas na higiene, estética, fala, etc – e outros problemas. Como os dentes antes dos 20 anos de idade têm raízes em menor estágio de desenvolvimento, causam menos complicações ao serem removidos. Por isso, recomenda-se que as pessoas entre 16 e 19 anos tenham seus dentes do siso examinados para verificar se precisam ser extraídos.

A minha ortodontista, que desde 2010 vem cuidando da parte estética dos meus dentes, através do uso de aparelhos e contenções ortodônticas, já havia me alertado sobre a necessidade de remoção dos meus sisos há bastante tempo atrás. Segundo ela, o procedimento de extração deveria ser feito porque a minha arcada dentária não comportaria todos os sisos com folga e, inclusive, eles, que já se encontravam inclusos, estavam apertando e pressionando os meus outros dentes, o que contribuiu para que os meus dentes incisivos centrais inferiores ficassem tortos e trepados um no outro. Porém, mesmo com os dois sisos superiores já erupcionados parcialmente, nunca senti nenhuma espécie de dor ou incômodo por conta desses dentes, acabei postergando esse procedimento que, mais cedo ou mais tarde, teria de acontecer.

Como os meus dentes incisivos centrais inferiores já estão bastante tortos e trepados um no outro e como remover os sisos é muito mais complicado na fase adulta do que na adolescência, eu e minha mãe decidimos não levar mais isso adiante e finalmente marcamos a cirurgia (é pra glorificar de pé, igreja!). O procedimento havia sido marcado para meados desse mês de maio, mas como minha mãe já sabia que ela e meu padrasto estariam na Colômbia à passeio nessa época e queria estar em casa pra cuidar de mim durante o pós-operatório, solicitou que a cirurgia fosse antecipada e a mesma foi realizada no final do mês passado, mais precisamente no dia 28 (uma quinta-feira), em uma clínica localizada no centro de Salvador especializada nesse tipo de procedimento.

Antes do dia da cirurgia em si, estive na clínica uma vez, mais ou menos uma semana antes do procedimento, com o intuito de conhecer o profissional, saber mais sobre os detalhes da cirurgia e ter os meus sisos examinados. Durante a conversa com o médico e minha mãe ficou claro que a minha opção era extrair os 4 sisos de uma única vez e fazer isso submetido à anestesia local. Decidi extrair os 4 sisos de uma única vez porque não achei que valesse à pena passar pelo mesmo procedimento de cirurgia e de pós-operatório mais de uma vez e também decidi pela anestesia local ao invés da geral porque eu não tinha problemas em ficar acordado durante a cirurgia, eu só não queria sentir dores fortes mesmo. Tudo foi dialogado com o médico, pelo qual sentimos bastante confiança, até porque foi o mesmo médico que fez esse mesmo procedimento com a minha irmã alguns anos atrás e deu tudo certo na época. Com tudo devidamente acordado, retornamos à clínica na semana seguinte, dessa vez para já de fato realizar a cirurgia.

Antes de realizar o procedimento, é recomendado que o paciente tenha tido uma boa noite de sono e tenha almoçado alimentos leves e em pouca quantidade, que foi basicamente o que eu fiz. Também se faz necessário que essa pessoa esteja acompanhada de alguém, principalmente por causa do remédio para dormir que é dado antes do início do procedimento, então minha mãe e meu padrasto me acompanharam até a clínica. Fomos direto da faculdade e do restaurante pra lá. A cirurgia estava marcada para 14h da tarde, mas era preciso estar lá com 40 minutos de antecedência, então chegamos lá antes até, mais ou menos 13h. Por volta de 13h30, me foi dado o remédio para dormir, que cada organismo recebe de uma forma, mas no meu caso não funcionou muito de imediato, não, viu? Eu fiquei acordado e consciente durante toda a cirurgia, só fui apagar mesmo umas meia hora após o término do procedimento. E mais cedo, na hora do almoço, eu já havia tomado o anti-inflamatório. São esses dois medicamentos que precisam ser tomados no pré-operatório.

Por volta de 14h20, a cirurgia finalmente começou! Após me acomodar no assento do médico, as duas assistentes dele me instruíram sobre algumas coisas e passaram nas quatro extremidades da minha boca, na região dos sisos, uma espécie de gel, que segundo elas era anestesia utópica. E realmente era, pois logo depois comecei a sentir minhas bochechas formigando, rs, então fez logo efeito. Fui Alice ao extremo ao achar que, por conta da cirurgia utópica, não seria furado por agulhas com a anestesia normal, que nada, em cada um dos 4 cantos da boca, na região dos sisos, foram cerca de 6 ou 7 agulhadas, uma seguida da outra, o que não doeu, apenas incomodou, por conta do efeito da anestesia utópica. Foi o próprio médico quem as aplicou. Felizmente não o senti abrindo as 4 extremidades da minha boca e muito menos extraindo os sisos em si, mas obviamente senti toda a manipulação do procedimento. Os dois sisos superiores, que já estavam erupcionados parcialmente há um bom tempo, foram removidos com bastante facilidade, tanto que nem me dei conta de que já haviam sido tirados, já quanto aos dois sisos inferiores infelizmente não posso dizer a mesma coisa. Por conta de ainda estarem inclusos e praticamente deitados (reflexo do sono constante que o dono deles, no caso eu, sente praticamente o dia inteiro, rs), foi bastante difícil para conseguir removê-los e, nessa parte do procedimento, não teve efeito de anestesia certo, senti uma dor extrema, como se o médico estivesse cavando o meu dente mesmo. E, no finalzinho de tudo, ainda fiquei com a respiração pela boca um tanto obstruída, provavelmente por causa de algum objeto que o médico ou as assistentes colocaram na minha boca, então involuntariamente tossi bem forte duas vezes, o que me deixou bastante tenso, achando que pudesse ter engolido algum objeto ou até mesmo algum dente, mas o médico me acalmou e disse que estava tudo bem. Depois, voltei para a sala de espera, onde estavam meu padrasto e mais alguns pacientes, e fiquei lá, acordado e consciente, esperando minha mãe chegar, mas mais ou menos meia hora depois apaguei totalmente, tanto que não lembro de absolutamente nada do caminho da clínica até o carro e do carro até chegar em casa, tampouco de minha mãe me colocando pra dormir.

A cirurgia, que ao meu ver foi muito mais agressiva e desgastante do que eu imaginava, mas em compensação extremamente rápida (o médico conseguiu extrair meus 4 sisos em 20 minutos, pasmem!), teve uma recuperação bastante tranquila e rápida. Durante as 24 horas após a cirurgia, passei praticamente o tempo inteiro deitado na cama, com a cabeça em um nível mais alto do que o resto do corpo, sem fazer esforço, sem falar muito, só ingerindo líquido e alimentos como sorvete e geleia de mocotó (amo! <3) e tomando os remédios de dor. Nos dias a seguir, já ganhei um pouco mais de liberdade. Já pude passar a ingerir alimentos pastosos, como sopa, e não precisava mais ficar deitado ou sentado o dia inteiro. Também se fazia necessário continuar higienizando os dentes, com pelo menos uma escovação por dia, inclusive na região dos sisos, mas de forma branda para que não interferisse nos pontos. Após a escovação, também era recomendado fazer um bochecho fraco com um produto especial, chamado Periotrat, que sempre dava uma sensação ótima de frescor, rs. Felizmente não senti dor ou incômodo em momento algum durante o pós-operatório, só bem depois que vieram a surgir dois pequenos machucados, duas bolinhas em alto-relevo, cuja sensação era a mesma de uma afta, o que incomodava bastante, principalmente nas refeições, mas aos poucos foi melhorando.

Exatamente uma semana após a cirurgia, retornei à clínica com a finalidade de remover os pontos, o que foi feito com sucesso, já que, segundo o próprio médico, eles já estavam bem soltos e saindo praticamente sozinhos, o que é bom. Diferentemente do que eu pensava, tirar os pontos não doeu, só incomodou um pouco. Desde então, desde um pouco antes de tirar os pontos inclusive, já tenho mastigado alimentos que eu costumava consumir antes normalmente e sigo não sentindo dores ou incômodos. A única coisa estranha é passar a língua pela região dos sisos, principalmente os superiores, e sentir buracos, como se estivesse banguelo, rs! Então é isso, cirurgia de remoção dos sisos feita! Menos um problema com que eu precise me preocupar! 0/

 

E aí, o que vocês acharam da minha experiência com remoção dos sisos? Imaginavam que o processo fosse esse mesmo que eu descrevi acima, ou que fosse algo diferente? Como? Já passaram por isso? Quero saber de tudo nos comentários! Sintam-se à vontade pra me contar! Beijos! 😉

Matheus CarvalhoQuem escreveu? Matheus Carvalho

19 anos, estudante de Jornalismo da ESPM-Rio, cariopolitano, fascinado pela escrita, apaixonado por entretenimento, conectado (quase) o tempo todo e se mordendo de curiosidade pra saber o que você achou desse post (conta aí, vai 0/)...

Apps de edição de foto que você precisa baixar agora mesmo no seu celular

maio 10, 2016
Foto: Reprodução/Women Now.

Foto: Reprodução/Women Now.

Uma das coisas que eu mais gosto de fazer quando estou mexendo no meu celular, ou seja, praticamente o dia inteiro (hehe), é editar fotos. Também adoro descobrir novos aplicativos de edição e novas formas de editar. Talvez seja por isso que tenho uma pasta dedicada apenas aos apps de edição de foto no meu celular, que já conta com 25 aplicativos (!). Sou adepto à teoria de que, uma foto, por mais incrível que seja, independentemente se pela qualidade da câmera ou pelo talento da pessoa que fez o registro, sempre pode melhorar. E acho que o ato de editar uma foto e poder ter total controle sobre seus aspectos, como cor, brilho, contraste, saturação, granulação, entre outros, faz com que o registro seja ainda mais pessoal, único e até mais inspirador, eu diria. Enfim, eu realmente amo fotografia e, obviamente, isso inclui fazer o louco dos aplicativos de edição de foto, hehe! E, como sei que esse vício faz parte do dia-a-dia de muitos de vocês também, decidi reunir neste post os apps de fotografia que mais gosto/mais uso. Muitos deles vocês já devem conhecer, outros talvez não, mas todos eles (ou pelo menos a maioria) precisam ser baixados nos celulares de vocês agora mesmo! Vamos lá ver quais são e o motivo de eu gostar tanto deles assim? 0/

VSCO

O VSCO (ou VSCO Cam) é simplesmente o meu app de edição de foto favorito da vida! Quando penso em editar alguma foto com um filtro babadeiro, já abro logo o app do VSCO no meu celular! Pois é, amor demais por esse aplicativo, minha gente! <3 O por quê? Eu digo! Ele oferece uma infinidade de filtros, dos mais variados tipos, que absolutamente deixam suas fotos incríveis ou ainda mais incríveis! Para se ter acesso à todos os filtros disponíveis, que definitivamente não são poucos, é preciso comprar o pacote com todos os filtros, que custa bem barato e vale super à pena, tendo em vista a qualidade e a quantidade de filtros disponibilizados. Mas o app oferece uma versão gratuita com alguns filtros já disponíveis, com os quais também se pode obter edições com resultados satisfatórios. Os apps que mais gosto/mais uso do VSCO são o C1, o C2, o C6 e o S3, apesar de eu geralmente passear bastante entre todos os outros. Além dos filtros babadeiros, outro recurso legal do aplicativo é que ele permite que ajustemos a intensidade dos filtros aplicados nas fotos em edição, para que não fique nem muito forte nem muito fraco, na medida, o que deixa o resultado final da edição muito mais satisfatório e do nosso jeitinho. Uma das ferramentas mais legais e exclusivas do VSCO é que ele organiza as fotos que você edita por lá em uma estrutura que se assemelha bastante ao feed do Instagram, então é possível se ter uma visão prévia se as fotos editadas conversarão entre si ou não quando de fato forem publicadas. Me digam, é amor demais esse VSCO ou não, gente? É, SIM! <3 O VSCO pode ser baixado gratuitamente, mas possui compras dentro do app, como já dito anteriormente.

 

 

VSCO está disponível para iOS na Apple Store e para Android na Play Store.

Afterlight

Antes do VSCO se tornar o meu app predileto de fotografia, quem assumia esse papel era o Afterlight, que, quer queira quer não, segue sendo um dos apps queridinhos dessa categoria. Diferentemente do passado, hoje já não o uso tanto porque depois que conheci os filtros do VSCO, os disponíveis no Afterlight perderam a graça, pelo menos pra mim. O único filtro disponibilizado pelo Afterlight que continuo amando é o Sailor, que pertence à pasta de Seasons, que ainda fica ótimo em algumas das minhas fotos, além de alguns outros dessa mesma pasta. Apesar disso, o Afterlight continua sendo ótimo em alguns outros aspectos, como na possibilidade de se aplicar luzes e texturas realmente legais nas fotos, incluindo aquelas que deixam o registro, geralmente em P&B, com aquele aspecto antiguinho ou sujinho, o que acho lindo em algumas ocasiões. Outra função desse app que também acho bem legal é poder esboçar figuras aleatórias como coração, estrela, coroa em cima das fotos, variando a transparência, a intensidade, o tamanho, dentre outros aspectos. Assim como no Photoshop mesmo, o Afterlight também permite que editemos fotos sem a obrigatoriedade de usar um filtro específico, podemos apenas ajustar características da foto como cor, brilho, contraste, temperatura, saturação, granulação, etc, o que acho bem legal, e muitas das vezes deixa a foto exatamente do jeitinho que havíamos imaginado (ou até melhor!). Para a tristeza de muitos, o Afterlight é pago, mas a boa notícia é que custa apenas US$0,99, o que é bem baratinho, então vale super à pena o investimento, ao meu ver! E, assim como a maioria dos apps de fotografia, o Afterlight também possui compras dentro do app!

 

 

Afterlight está disponível para iOS na Apple Store e para Android na Play Store.

Camera+

Já posso começar dizendo que indico o Camera+ apenas para aquelas que pessoas que amam tirar foto de paisagem e natureza e estão sempre editando fotos nesse estilo. Digo isso porque, ao meu ver, o único filtro que realmente diferencia esse app dos outros é o HDR, que inclusive foi o que me seduziu à baixar esse aplicativo. E de fato o HDR é mesmo maravilhoso, pois é um filtro que deixa as fotos, principalmente as de paisagem e natureza, com um efeito inédito, super vivo, vibrante e intenso, já quanto aos outros filtros do app, eu diria que são bem senso comum e de fácil encontro em outros apps, gratuitos por sinal, que absolutamente não é o caso do Camera+. Logo, esse app infelizmente não superou as minhas expectativas e não valeu tanto à pena assim, já que não edito taaantas fotos de paisagem e natureza assim e o único filtro que realmente amei foi o HDR. Mas, fazer o que né, migos? Já está comprado! Um ponto positivo para o app, mas não inédito é que, assim como o VSCO e o Afterlight, o Camera+ também permite ajustar a intensidade dos filtros, inclusive uso bastante esse recurso com o HDR, já que, por ser muito forte, ele soa bastante exagerado em algumas fotos, então geralmente diminuo um pouco a intensidade. O Camera+ também é pago, mas diferentemente do Afterlight e da maioria dos apps de fotografia, possui um preço um pouquinho mais elevado, custando US$2,99, aí vai de vocês julgar se vale à pena ou não. Pra mim, nem tanto. Camera+ apresenta compras dentro do app também.

 

 

Camera+ está disponível para iOS na Apple Store.

Layout

Layout, app de montagem de fotos oficial do Instagram, é um dos aplicativos mais úteis que tenho instalados no meu celular. Com ele é possível fazer de forma fácil e rápida montagens de fotos com 1 à 9 fotos, todas em quadrado já que é o formato mais comum das publicações do Instagram, podendo as fotos serem organizadas de diversas formas dentro do quadrado. Com o app também é possível inverter e espelhar as fotos, o que geralmente dá um efeito bem legal na edição. Eu diria que é um aplicativo bastante cru, mas extremamente útil, principalmente por sua facilidade e praticidade. E que inclusive substituiu com êxito todos os outros que eu usava antes para os mesmos fins, como LiPix, LiveCollage, Pic Collage e SplitPic, que continuam instalados no meu celular, já que são à eles que recorro quando quero fazer algo mais elaborado. Layout é de fato uma mão na roda e é ele que uso pra fazer muitas das montagens pros posts aqui do blog! Já podem agradecer ao bom Deus pois o app é gratuito! Yaaay! 0/ Hahaha!

 

 

Layout está disponível para iOS na Apple Store e para Android na Play Store.

Studio

Acho que de todos os apps de edição de foto que tenho instalados no meu celular, este é o mais completo e que mais se assemelha ao Photoshop. O Studio permite que façamos montagens com uma roupagem mais profissional mesmo, diferentemente de apps mais sucintos como o Layout, por exemplo. Nele, além de poder inserir utensílios básicos em suas fotos como filtros e textos, ainda há uma imensidade de outras opções, incluindo figuras, contornos de figuras, linhas, bordas, frases prontas, mantras, animações, emblemas, entre muitos outros. Se a pessoa realmente souber editar foto, certamente é nesse app que conseguirá fazer uma montagem bem legal e com ar profissional. E é possível se obter um resultado bem legal com um mix de todas (ou quase todas) as funções que o app oferece, eu diria que ele é de fato um estúdio fotográfico mesmo (ah, vá!). É recomendado para fazer fotos de divulgação, de anúncio, entre outras finalidades. Uma ferramenta legal desse app é que ele permite que criemos um feed onde serão publicadas todas as nossas edições finalizadas e outras pessoas podem ver, assim como podemos ver as edits de outras pessoas também, é tipo uma rede social das montagens fotográficas, hehe! Studio é realmente um app que se vale super à pena ter no celular e na vida, rs! Ele pode ser baixado gratuitamente, com compras dentro do app.

 

 

Studio está disponível para iOS na Apple Store e para Android na Play Store.

PicsArt

O PicsArt segue o mesmo estilo do Studio, é mais um desses apps de fotografia especializados em montagens mais elaboradas e até mesmo profissionais. Inclusive, o PicsArt oferece praticamente as mesmas funções do Studio, incluindo as várias opções de elementos para que se possa fazer uma boa edição e o feed com as montagens feitas por nós e pelos outros usuários do aplicativo, como uma espécie de rede social das montagens fotográficas mesmo. Só que eu percebo que esse app disponibiliza um pouco menos de variedade em relação ao anterior, mas ao meu ver seu diferencial são as bordas, há uma grande quantidade delas e praticamente todas são bem legais. Inclusive é uma das bordas desse app que uso nas fotos dos posts semanais de 3 fotos aqui do blog! Eu já acharia válido baixar o PicsArt somente por causa das bordas, haha, mas de forma geral é um bom aplicativo de montagens também! Apesar de possuir compras dentro do app, o PicsArt é gratuito! Podem comemorar, rs!

 

 

PicsArt está disponível para iOS na Apple Store e para Android na Play Store.

Fragment

Este é um dos apps mais originais que já vi, pois os efeitos que ele disponibiliza dificilmente são encontrados em outros aplicativos da mesma linha. O Fragment, um dos meus grandes vícios fotográficos no início do ano passado, investe em edições de foto com um ar mais futurístico, com variadas figuras geométricas, recortes da própria foto selecionada em cima da mesma, diferentes formas de distorção, entre outros efeitos que só esse app é capaz de proporcionar (pelo menos a combinação de todos esses elementos citados juntos em uma mesma edição). Nele é possível fazer edições muito bem elaboradas e complexas, mas como eu não sou um expert nesse aplicativo até então só experimentei edições mais simples mesmo. No início ele pode ser um pouquinho complicado de se mexer mesmo, pelo menos foi pra mim, mas aos poucos vai se pegando mais a prática da coisa. O app é pago e custa US$1,99, também possui compras internas.

 

 

Fragment está disponível para iOS na Apple Store e para Android na Play Store.

Polamatic

O Polamatic é um dos apps de fotografia mais amorzinho que já tive no meu celular, ele permite que o usuário crie suas próprias polaróides através de fotos importadas do rolo da câmera ou tiradas na hora mesmo (!). E o app permite que façamos várias alterações na polaróide mesmo depois de já ter sido gerada, podemos mudar o filtro da foto, a textura da borda, inserir um texto e editar a fonte, deixando tudo ainda mais intimista e do nosso jeitinho. O resultado final pode ser incrível! Uma coisa que eu amo nesse app, além do principal, que é ele permitir fazer polaróides de forma tão fácil e prática (!), é ouvir o barulhinho da polaróide sendo gerada, como se estivesse sendo impressa na hora mesmo! Amor demais por esse aplicativo, sério! <3 Todo mundo deveria tê-lo no celular e na vida! O app, que é oficial da Polaroid, é pago e custa US$0,99, mas é tão amor que dá até prazer em pagar, sério mesmo, rs!

 

 

Polamatic está disponível para iOS na Apple Store.

Diana

Assim como o Fragment, este também se trata de um app bastante original inicialmente, depois dele veio uma enxurrada de outros apresentando a mesma proposta. Proposta essa que mescla duas fotos em apenas uma, o que pode resultar em algo um tanto legal e satisfatório. Além de poder selecionar duas imagens para fazer a mesclagem, que é gerada pelo próprio app, que se chama Diana, é possível editar os efeitos e aspectos da foto já misturada. O fundamental para se obter um bom resultado nesse app é saber usar a combinação correta de fotos, geralmente fotos de elementos e cores bastante diversificados entre si caem bem quando ocorre o mix, como uma foto de uma pessoa e outra de uma paisagem, por exemplo. Vai da criatividade e do objetivo de cada um. Eu raramente o uso, apesar de que gostaria de conseguir fazer mais coisas legais com ele, mas indico, afinal a proposta do app é bem legal! Diana pode ser baixado gratuitamente.

 

 

Diana está disponível para iOS na Apple Store e para Android na Play Store.

Color Pop

Este foi um dos meus achados mais recentes no quesito apps de fotografia e eu adorei o ter encontrado porque ele permite fazer um efeito que eu sempre quis em algumas das minhas fotos, mas não sabia como ao certo. Color Pop permite que deixemos uma parte da foto selecionada colorida e a outra em P&B, o que acho genial. Não gosto desse efeito em todas as fotos, obviamente, mas em determinados casos fica superlegal! E o melhor é que nós mesmos podemos pintar através de um pincel que pode ser ajustado as partes que queremos que fiquem coloridas e aquelas que irão ficar em P&B, então temos total controle sobre como queremos o resultado final! Conseguir um bom resultado com esse efeito requer bastante cuidado e paciência, já que precisamos pensar nos mínimos detalhes da foto em questão, mas é possível fazer algo bem bacana, então super indico! Color Pop é gratuito.

 

 

Color Pop está disponível para iOS na Apple Store e para Android na Play Store.

 

E aí, o que acharam dos apps de edição de foto que indiquei nesse post? Quais vocês já conhecem e já têm instalados nos celulares de vocês? Quais não? Gostaram mais de qual? Vou adorar saber e talvez poder dar mais alguma informação sobre esses apps pra vocês! Então me contem nos comentários! 😉

Navegue nas páginas123456789... 11»

Papo de Matheus • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por