Minhas 3 animações favoritas da Disney Pixar

Abril 22, 2016
Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Como eu já havia dito anteriormente no post de apresentação do blog, que vocês podem conferir novamente (ou pela primeira vez mesmo) clicando aqui, sou apaixonado por animação e esse é um dos meus gêneros fílmicos favoritos! Eu simplesmente amo e fico encantado pela sensibilidade e pela mensagem valiosíssima que a maioria das animações apresentam, além de que já há um bom tempo algumas delas vem trazendo à tona em seus enredos problemas sociais extremamente atuais em nossa vida, de forma leve e que possa ser assistido por crianças, é claro, o que acho bem legal e inteligente. Isso sem contar as personagens fofas que a maioria dos filmes de animação trazem também, só pra nos deixar apaixonados e derretidinhos de amor, rs! Pra esse post selecionei os meus 3 filmes de animação favoritos da Disney Pixar e falarei um pouquinho sobre todos eles. Vamos lá então? o/

1 – Up – Altas Aventuras

Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Dirigido por Pete Docter e lançado em 29 de maio de 2009 nos cinemas dos Estados Unidos e em 4 de setembro de 2009 nos cinemas do Brasil, Up – Altas Aventuras é a animação mais sensível e tocante que eu já assisti na vida, o que faz dela a minha animação favorita de todos os tempos. Premiado como Melhor Animação nas premiações de peso Oscar, Globo de Ouro e Annie Award (premiação norte-americana especializada em animação) no ano de 2010, o filme relata com maestria e um show de sensibilidade as aventuras e desventuras vividas pelo personagem principal Carl Fredericksen, um idoso viúvo extremamente ranzinza, mas com um enorme coração (dublado pelo ícone Chico Anysio na versão brasileira do filme), em sua busca incessante de realizar um sonho que ele e sua falecida esposa, Ellie, nutriam juntos e planejavam cada detalhe minuciosamente durante todo o tempo desde que se conheceram, antes mesmo de se casarem, que era se mudar para o magnífico Paraíso das Cachoeiras, que fica na Venezuela (que, pasmem, existe na vida real mesmo!). Durante a sua jornada, ele conhece uma série de pessoas (e bichos) que inicialmente pensa poder atrapalhar seu objetivo, mas que criam uma relação linda e cheia de amor que inclusive é o que deposita ainda mais sensibilidade ao filme. Dentre esses personagens que vão aparecendo, temos Russell, um garoto escoteiro amante da natureza com seu sonho de protegê-la (e assim ganhar mais distintivos para o seu uniforme), Dug, um golden retriever falante, Kevin, uma ave tropical, entre outros. Após várias reviravoltas, muitas delas provocadas pelo vilão do filme, Muntz, explorador difamado buscando restabelecer sua reputação (que quer à todo custo caçar Kevin, a ave tropical que faz parte do squad de Carl), eles finalmente conseguem chegar ao tão sonhado Paraíso das Cachoeiras, mas descobrem que o que mais importa mesmo é permanecerem unidos. Sempre que assisto Up – Altas Aventuras fico com o coração apertado e os olhos marejados, não apenas por ser um filme lindo e emocionante, mas também por toda vez que assisto me lembrar do meu avô materno, que faleceu com alzheimer poucos anos depois da estreia do filme, em 2012. Amo tanto essa animação que até a tenho em casa em DVD, rs! <3

2 – Divertida Mente

Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Divertida Mente, após ser exibido com exclusividade no Festival de Cannes de 2015, teve sua estreia ocorrida nos cinemas brasileiros um dia antes do início da exibição do filme nos cinemas estadunidenses, em 18 de junho do mesmo ano, e assim como Up – Altas Aventuras, também teve direção assinada por Pete Docter e também recebeu os prêmios de Melhor Animação das premiações Oscar, Globo de Ouro e Annie Award, em suas edições deste ano. A animação, que é a minha segunda favorita da Disney Pixar, foi desenvolvida a partir de um fato bastante curioso. O diretor do filme, Pete Docter, começou a desenvolvê-lo em 2009, após perceber mudanças na personalidade de sua filha desde o seu nascimento. Inclusive inúmeros psicólogos, procurados pelos produtores do longa, ajudaram a revisar a história do mesmo, contribuindo com o conhecimento à respeito dos aspectos neuropsicológicos que as emoções humanas são espelhadas. Por fim, Divertida Mente ou Inside Out (título original do filme) se passa na mente de Riley, uma menina que apresenta uma série de mudanças comportamentais ao longo de sua vida, que é o mesmo que acontece com todos nós. Tudo isso se torna ainda mais intenso e evidente quando ela e seus pais se mudam de Minnesota para São Francisco, o que a deixa bastante triste e com raiva, já que é obrigada à deixar sua antiga vida pra trás e iniciar uma completamente nova em outra cidade. Enquanto isso, suas emoções personificadas, que são os personagens principais da animação, Alegria, Tristeza, Medo, Raiva e Nojinho, possuem a árdua tarefa de se relacionarem e executarem suas tarefas em harmonia para que Riley possa levar uma vida sadia e estável. Só que eles se metem em uma sequência de confusões até conseguirem alcançar esse objetivo, que é o que dá o toque de humor ao filme. Um fato legal sobre a versão brasileira da animação é que ela tem um time incrível de dubladores, incluindo Miá Mello como Alegria, Katiuscia Canoro como Tristeza, Dani Calabresa como Nojinho, Otaviano Costa como Medo e Léo Jaime como Raiva. Outro fato legal sobre o filme é que o curta que o introduz, Lava, é simplesmente o curta mais lindo que eu já assisti na vida, inclusive também amo a música da versão original dele, também intitulada como Lava, interpretada por James Ford Murphy (tem no Spotify!). Divertida Mente é uma das poucas animações que já me fizeram chorar, essa conseguiu, afinal é uma das mais lindas e emocionantes que já assisti. É uma animação perfeita pra assistir com toda a família juntinha!

3 – Os Incríveis

Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Com direção de Brad Bird e lançamento nos cinemas estadunidenses em 5 de novembro de 2004 e nos brasileiros em 10 de dezembro de 2004, Os Incríveis é a sexta animação da Pixar Animation Studios, distribuída pela Walt Disney Pictures, um verdadeiro clássico da Disney Pixar. O filme foi indicado à 4 Oscars, vencendo 2: Melhor Animação e Melhor Edição de Som, também ganhando 10 Annie Awards de 16 indicações. A animação, uma das que obteve maior sucesso da Disney Pixar, fala sobre uma família de ” supers ” – seres humanos dotados de superpoderes – que já foram vistos pela sociedade como heróis no passado, mas os danos colaterais de suas várias boas ações à população fizeram com que o governo criasse um programa de realocação de supers, forçando esses à se encaixarem entre os civis, não utilizando mais seus superpoderes. A família em questão que protagoniza a animação é formada pelo casal Beto e Helen Pera, ambos supers, casados e que possuem 3 filhos: Violeta, Flecha e o bebê Zezé, cada qual dotado de um superpoder diferente. Residentes da cidade de Metroville, eles vão de encontro ao determinado pelo governo e através do uso de seus superpoderes tentam deter a cidade de um supervilão, Buddy Pine. Os Incríveis é, sem pensar duas vezes, a melhor animação de super-heróis que já assisti e a terceira do meu top 3 de animações favoritas da Disney Pixar. Um fato maravilhoso sobre o filme é que Brad Bird, seu diretor, confirmou que o seu próximo projeto será Os Incríveis 2, continuação do clássico da Disney Pixar, que já foi confirmado pela Disney e possui estreia prevista para 2019. Quem eu já está roendo todas as unhas das mãos de tanta ansiedade para assistir logo a continuação desse clássico? o/

 

E aí, o que acharam das minhas 3 animações favoritas da Disney Pixar? Alguma delas é a sua favorita também? Se não, quais são? Quero saber! Me contem nos comentários! 😉

TAG: Liebster Award

Abril 21, 2016

Antes mesmo desse blog lindo e maravilhoso que vocês estão vendo agora ir ao ar, há pouco menos de um mês, minha amiga Camila Freitas, do também maravilhoso blog Perto dos Dezoito (que inclusive é um dos meus favoritos dessa blogosfera, como vocês podem ver na sessão ” Blogs que curto ”), me indicou em uma TAG chamada Liebster Award. A TAG, que possui como objetivo principal conhecer novos blogs e um pouco mais de seus blogueiros, será a primeiríssima TAG respondida aqui no meu cantinho, das muitas que ainda espero poder fazer pra vocês. Então… Vamos às regras?

Regras:

  • Escrever 11 fatos sobre você;
  • Responder as perguntas de quem te indicou;
  • Indicar 11 à 20 blogs com menos de 200 seguidores;
  • Fazer 11 perguntas para os blogs indicados;
  • Colocar a imagem que mostre o selo da Liebster Award;
  • Linkar quem te indicou.

 

11 fatos sobre mim:

  1. Eu não como carne de boi (exceto carne de hambúrguer) e nem peixe (frutos do mar, em geral), mas amo frango, então praticamente em todas as minhas refeições tem frango.
  2. Eu já tive blogs de notícias sobre as séries iCarly e Glee, se chamavam iCarly TV News e Gleek Space, respectivamente, rs.
  3. Eu tenho medo do Michael Jackson, principalmente do clipe de Thriller, apesar de obviamente reconhecer que ele foi um artista incrível.
  4. Eu gaguejo um pouco e fico travado pra falar às vezes, não é nada muito grave, mas vira e mexe acontece, porém já estou cuidando disso com uma fonoaudióloga.
  5. Um dos meus maiores arrependimentos da vida foi ter optado passar as férias de verão no Rio mais uma vez ao invés de ter ido viajar pra Argentina com minha família, e, no fim das contas, acabou que as férias no Rio daquela vez nem foram tão incríveis assim e eu continuo aqui, com quase 19 anos na cara, sem nunca ter pisado fora do Brasil. 🙁
  6. Eu nasci e fui criado em uma periferia do Rio de Janeiro, não chega à ser uma comunidade, mas é uma periferia. Mas não tenho vergonha alguma disso, pelo contrário, foi lá onde vivi alguns dos melhores momentos da minha vida até então. E inclusive é onde meu pai e boa parte dos meus familiares moram até hoje. Sempre que vou passar férias no Rio é lá onde fico.
  7. Eu já fui em uma quantidade satisfatória de shows internacionais e os meus favoritos até o momento foram Ed Sheeran, com a Multiply Tour e Jonas Brothers com abertura e participação de Demi Lovato, com a Burnin’ Up Tour.
  8. Eu tenho uma certa agonia com números quebrados, tanto que os meus horários pra postar foto no Instagram por exemplo só podem ser inteiros, tipo 18h30. 18h22 ou 18h27 me dão agonia.
  9. Eu sou viciadíssimo em refrigerante, especialmente Coca-Cola. Mas quando estou no Rio consigo ser um pouco mais saudável quanto à bebidas, já que lá bebo Matte Leão (em copinho) e Guaracamp.
  10. A minha época favorita do ano sem dúvidas é o Natal. Acho uma época mágica e perfeita pra se estar com quem se ama. <3
  11. Eu sinto muuuito sono ao longo do dia, principalmente na volta da faculdade pra casa, acho que esse é o momento mais cansativo do dia pra mim.

 

Perguntas da Camila:

P: Você se lembra do primeiro blog que você acessou na vida?

R: Não. Mas lembro que o primeiro blog com o qual tive contato que possui um estilo parecido com o que eu sempre quis seguir para o meu foi o Depois dos Quinze, da Bruna Vieira, que inclusive é um dos meus blogs favoritos e que continuo visitando frequentemente até hoje.

P: O que você acha das coisas que viram modinha?

R: De forma geral, eu acho legal, pois geralmente se eu gosto de alguma coisa ou de alguém, eu vou querer que aquela pessoa cresça e se torne ainda mais popular entre as pessoas, o que inclusive pode beneficiar à mim mesmo. Mas é óbvio que também rola aquele ciuminho típico de que aquela coisa ou aquela pessoa está cada vez mais deixando de ser nossa, de ser uma exclusividade da qual possamos nos orgulhar, já que o público daquilo vem crescendo dia após dia. Isso aconteceu comigo recentemente, pois vi uma enxurrada de posts diversos sobre o Tiago Iorc em alguma dessas redes sociais por aí, cantor do qual sou fã desde meados do ano passado, mas que só agora está alcançando um público bem grande. Como gosto dele, logo vou querer que ele cresça e seu trabalho seja reconhecido por mais pessoas, mas também rola querer ter aquele mérito de já o conhecer e acompanhar seu trabalho há mais tempo, isso é normal, rs.

P: Onde você gosta de divulgar seus posts?

R: Primeiramente no Facebook (na fanpage do blog e na minha linha do tempo pessoal), depois no Twitter e no Instagram. Mas recentemente tenho curtido mais divulgar mesmo no Snapchat, onde sempre faço um vídeo com duração padrão do snap rolando o post que acabou de entrar no ar com uma música que eu esteja viciado no momento ao fundo, hehe.

P: Você prefere Twitter, Instagram, Snapchat ou Facebook?

R: A disputa é acirrada entre o Twitter e o Instagram, mas acho que fico com o Twitter.

P: Sobre o que você mais gosta de falar no seu blog?

R: Sobre os eventos legais que vou de vez em quando, tipo shows, peças de teatro, eventos literários, encontrinhos com blogueiros e youtubers, entre outros.

P: Qual sua cor preferida?

R: Verde água, apesar de também amar P&B.

P: Se você só pudesse ver um blog e um canal do YouTube por 3 meses, qual seria?

R: Eu acho que seria o blog e o canal de YouTube da Karol Pinheiro. Não aguento ficar muito tempo sem ver as atualizações dela, mores.

P: Você tem um jeito de organizar seu feed do Instagram? (Por filtro, por cor, etc)

R: Não tenho muita exigência pra isso, mas gosto que o meu feed fique organizado por ordem cronológica de acontecimentos. E tem que haver um mínimo de harmonia entre o estilo das fotos e dos vídeos também, né?

P: Você prefere viver em um mundo com bruxos ou em um com vampiros?

R: Acho que com bruxos, hehe.

P: Se você pudesse ser uma Kardashian, qual seria?

R: Não sou muito ligado nelas, mas acho que a Kendall.

P: O que você acha de responder TAGs por escrito?

R: Confesso que achava um pouco estranho, mas hoje em dia acho bem legal. Porém ainda assim acho mais interessante respondê-las em vídeo mesmo.

 

Minhas perguntas:

  1. Você tem o hábito maior de ler posts em blogs ou assistir vídeos em canais de YouTube?
  2. Você tem algum turno específico do dia pra divulgar seus posts? (Manhã, tarde, noite, madrugada)
  3. Você tem algum crush do YouTube? Se sim, quem seria?
  4. O que você acha de blogueiros que já iniciam um blog esperando por reconhecimento e grande procura de marcas logo nos primeiros meses?
  5. Se você tivesse que escolher apenas uma categoria pra postar sobre por um ano em seu blog, qual seria ela?
  6. Você tem vergonha de gravar vídeos pro YouTube?
  7. Você tem o hábito de trocar nudes? (hehe)
  8. Se pudesse escolher um famoso pra entrevistar pro seu blog, quem seria?
  9. Se você tivesse a oportunidade de ter apenas um minuto ao lado do seu ídolo ou de algum famoso que você admire muito, o que você faria?
  10. Você prefere cinema ou balada?
  11. Qual o app mais inútil que você tem instalado no seu celular?

 

Blogs indicados:

Como ainda sou iniciante nesse universo de blogs pessoais e como Camila já indicou todas as nossas amigas blogueiras em comum pra responder essa TAG, o meu convite pra respondê-la vai pra minha amiga Patrícia, do canal de YouTube Não Seja Menas, que vocês já devem conhecer da série de posts sobre a saída fotográfica que fizemos juntos por alguns pontos do Rio no início do mês. E, claro, também venho por meio deste convidar todos vocês que também tem blog pra responder a TAG Liebster Award e colocar o link aqui nos comentários pra que eu possa ver tudinho, combinado?

 

E aí, o que acharam da primeiríssima TAG respondida aqui no blog? Como pretendo criar um canal no YouTube em breve, gostaria de deixar aquelas TAGs mais criativas pra serem respondidas futuramente em vídeo, enquanto isso vou respondendo aqui no blog de vez em quando aquelas que eu achar viáveis pra esse formato escrito ou aquelas em que eu for indicado, beleza? Então é isso, até a próxima TAG! Beijos! 😉

Matheus CarvalhoQuem escreveu? Matheus Carvalho

19 anos, estudante de Jornalismo da ESPM-Rio, cariopolitano, fascinado pela escrita, apaixonado por entretenimento, conectado (quase) o tempo todo e se mordendo de curiosidade pra saber o que você achou desse post (conta aí, vai 0/)...

Meus 5 álbuns favoritos de divas do pop mundial

Abril 20, 2016
Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Todos que me conhecem sabem que eu amo música, não apenas ouvir e sentir a letra e a melodia como também falar e escrever sobre o assunto. Sabem também sobre mim que o meu gênero musical favorito é o pop, apesar de eu ter um gosto musical bastante eclético e ser um grande fã do pop/rock, do rock e do hip hop também. Vira e mexe estou viciado em algum single ou álbum novo que é lançado no Spotify, que inclusive – mais uma informação – é o meu app de música predileto. Ouço música tomando banho (alguém não? O.O), me arrumando pra algum evento legal, em sociais com os amigos, até mesmo pra ficar encolhidinho debaixo do edredom no quarto escuro, inclusive também adoraria poder ouvir minhas playlists na ida e na volta da faculdade também, mas quem disse que o medo de ser assaltado permite, rs? Enfim, esse primeiro parágrafo do post foi apenas pra vocês saberem o quanto a música ocupa um grande espaço na minha vida, mas agora, sem mais prolongas, vamos direto ao ponto. Nesse post musical listei os meus 5 álbuns favoritos de divas do pop mundial, que inclusive ocupam a maior parte das minhas playlists, rs. Bora lá conferir quais são? o/

1 – 1989, Taylor Swift

Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Quando pensei no título desse post mais cedo, o primeiro álbum que veio na minha mente, de forma bem instantânea, foi o 1989, da Taylor Swift. Esse álbum, o quinto de estúdio da carreira da cantora estadunidense e lançado em 27 de outubro de 2014, foi o meu maior vício musical entre o final de 2014 e o início de 2015. E o engraçado é que quando ouvi o álbum na íntegra pela primeira vez, logo na época do lançamento, me lembro de ter achado as músicas bastante genéricas e extremamente parecidas umas com as outras, sem uma característica ou presença muito forte. Mas o álbum, um dos mais premiados, senão o mais premiado da carreira da Taylor, que inclusive levou o Grammy de Álbum do Ano na última edição da premiação, estava tão bombado na época que decidi dar mais uma chance e, pronto, amei e em questão de poucos dias já estava completamente obcecado por praticamente todas as músicas, com exceção de algumas que ao meu ver são bem fraquinhas e que continuo não ligando até hoje, como This Love, Clean e You Are In Love. Acho que esse álbum me marcou tanto porque é um dos únicos álbuns que adoro praticamente todas as faixas, além de que algumas dessas faixas foram trilha sonora de uma época muito especial da minha vida, quando eu estava cursando o 2º ano do ensino médio, especialmente Blank Space, a minha favorita do CD (e da maioria das pessoas também). Sem contar que esse foi um álbum totalmente inovador na carreira da Taylor, diria que um divisor de águas mesmo, afinal todos os anteriores, Red (2012), Speak Now (2010), Fearless (2008) Taylor Swift (2006), possuíam uma pegada mais country, com exceção apenas do Red, que já evidenciava rastros de um pop que viria à se estabilizar por completo com o 1989. O álbum mais recente de Taylor Swift teve a marca surpreendente de 7 singles e clipes de sucesso, sendo eles, em ordem de lançamento, Shake It Off, Blank Space, Style, Bad Blood, Wildest Dreams, Out Of The Woods e New Romantics e ainda rendeu a The 1989 World Tour, a turnê mundial com mais participações da história, que também foi transformada em um documentário para a Apple Music. Inclusive sigo tentando superar o fato de essa tour não ter vindo pro Brasil até hoje (#todosentramemdepressão)… O meu top 3 de músicas favoritas do 1989 seria Blank Space (óbvio!), New Romantics e All You Had To Do Was Stay, e os meus clipes favoritos dessa era são Blank Space e Bad Blood.

2 – Teenage Dream, Katy Perry

Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Teenage Dream é o meu álbum favorito da Katy Perry, e sem dúvidas o mais bem-sucedido da carreira da cantora até então. O álbum, o segundo de estúdio da artista estadunidense, lançado em 24 de agosto de 2010, emplacou 5 dos seus 6 singles no topo da parada norte-americana Billboard Hot 100, tornando o álbum o segundo da história da Billboard à alcançar tal feito, o que havia sido feito antes apenas por Michael Jackson, que emplacou 5 músicas de seu álbum Bad (1987) no topo da parada. Teenage Dream é composto por 12 faixas, e praticamente todas elas seguem o estilo daquele pop viral que todos nós amamos, que gruda na cabeça e na ponta da língua. Os singles e clipes do álbum foram California Gurls, em parceria com o rapper Snoop Dogg, Teenage Dream, Firework, E.T., com participação do cantor Kanye West, Last Friday Night (T.G.I.F.) e, por fim, The One That Got Away. Além de todo o sucesso e vários prêmios recebidos pelo álbum, o mesmo ainda originou a turnê The California Dreams Tour, que manteve a identidade visual do álbum e transformou o palco dos shows em uma imensa fábrica de doces e guloseimas. A turnê, inclusive, passou pelo Brasil no segundo semestre de 2011 no festival Rock in Rio, no Rio de Janeiro, e em um show extra em São Paulo, além de dezenas de outros países ao redor do mundo. Minhas músicas prediletas do Teenage Dream, que também marcaram uma fase muito feliz e memorável da minha vida, da qual morro de saudades inclusive, que foram os meus dois primeiros anos morando em Salvador (2010 e 2011), são Teenage Dream (morro de amores por essa música! <3), California Gurls e Firework. Já quanto aos clipes, os que mais curto são os de Last Friday Night (T.G.I.F.) e de California Gurls. O álbum de 2010 ainda rendeu um relançamento, intitulado Teenage Dream: The Complete Confection (2012), e a turnê referente ao mesmo foi transformada em um documentário exibido nos cinemas, Katy Perry: Part Of Me, também de 2012.

3 – Don’t Forget, Demi Lovato

Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Como eu já havia mencionado anteriormente no post de apresentação do blog, que vocês podem conferir clicando aqui, sou fã da Demi Lovato, fã de verdade, real (só não digo que sou um Lovatic porque não sou muito adepto à essas nomenclaturas dos fandoms, mas, ó, nada contra, viu?). A acompanho desde a época do primeiro Camp Rock, lá em 2008, portanto assim como todos que a acompanham desde então já vi a Demi mudar várias vezes, mudar a cor do cabelo, o namorado, o estilo de vida, inclusive o estilo musical. E apesar de ser fato que ela é visivelmente um ser humano muito melhor e mais saudável agora, musicalmente falando, ao meu ver, eu preferia a antiga Demi, a menina, aquela que era toda tímida em cima dos palcos e usava preto, e não esse mulherão que vemos hoje em dia. Que mais uma vez repito, é obviamente a melhor versão dela como pessoa, mas não como artista musical no meu ponto de vista. Potência vocal, infinitamente melhor agora, não há dúvidas, mas aquele pop/rock forte e determinado, cheio de atitude, que passava uma enorme carga emocional à cada música e que me fazia lembrar, quase sempre com o coração apertado, do ano mais feliz da minha vida até então, que foi 2009, pelo qual sou super apegado (inclusive posso fazer um post apenas sobre isso mais pra frente), infelizmente não se tem visto mais nos álbuns da cantora há um bom tempo. E por isso considero seu álbum de estreia, Don’t Forget, lançado em 23 de setembro de 2008, o melhor álbum de sua carreira e um dos meus álbuns favoritos da vida mesmo. O mesmo, que alcançou a posição #2 na Billboard 200, teve apenas 3 singles e clipes, sendo eles Get Back, La La Land e Don’t Forget, trabalhados entre meados de 2008 e o início de 2009. Outro fato que amo sobre esse álbum é que praticamente todas as faixas foram compostas em parceria com os Jonas Brothers, dos quais também sou fã, na época das filmagens do primeiro Camp Rock, inclusive no CD há uma faixa com participação vocal da banda, On The Line. Verificado como disco de ouro nos Estados Unidos e no Brasil, com mais de 500 mil e 30 mil cópias vendidas, respectivamente, o álbum, que possui 11 faixas, ainda rendeu à Demi uma turnê mundial com os Jonas Brothers e uma edição deluxe, lançada mais tarde. Trainwreck (<3), Don’t Forget e La La Land são as minhas músicas favoritas desse álbum, já quanto aos clipes os que mais curtos são os de La La Land e Don’t Forget.

4 – Bang, Anitta

Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Ao meu ver Bang, o terceiro e mais recente álbum de estúdio da Anitta, lançado oficialmente em 13 de outubro de 2015, é artisticamente falando o melhor de sua carreira. Contendo até então 3 singles de sucesso, Deixa Ele Sofrer, Bang e Essa Mina é Louca, com participação do cantor e compositor que inclusive contribuiu de tal forma para o álbum, Jhama (especula-se que o quarto e último single do disco vá ser Cravo e Canela, feat entre Anitta e Vitin, vocalista da banda Onze:20, o que deve acontecer muito em breve), Bang é o álbum mais eclético e abrangente musicalmente falando da carreira da artista. Nele, Anitta não abandonou as suas raízes, o funk, no caso, mas em paralelo incluiu vários gêneros musicais, como R&B, samba, entre outros, além do pop, que já é característico do seu trabalho. Acredito eu que o álbum, disco de platina no Brasil com mais de 250 mil cópias vendidas, tenha sido o mais aceito pelo público e mais aclamado pela mídia, de fato foi um tiro certeiro de Anitta. Outra característica marcante do álbum, que possui uma identidade visual bem art pop criada pelo artista brasileiro de peso Giovanni Bianco, que inclusive já havia trabalhado com artistas como Madonna em algumas de suas produções, é que todas as participações presentes nele são masculinas. Das 15 faixas que compõem o disco, além de Essa Mina é Louca com Jhama e Cravo e Canela com Vitin, também temos Sim com Cone Crew Diretoria, Gosto Assim com Dubeat e Pode Chegar com Nego do Borel. O meu top 3 de músicas favoritas desse álbum, dificílimo de escolher, seria Bang, Sim e Gosto Assim e os meus clipes favoritos do mesmo até então seriam os de Bang e Deixa Ele Sofrer. Bang ainda rendeu à Anitta a Bang Tour, que foi iniciada no último dia 7 no Rio de Janeiro e que vocês podem conferir minha resenha sobre clicando aqui, além da melhor fase até então na carreira da artista.

5 – Vício, Manu Gavassi

Foto: Reprodução/Google.

Foto: Reprodução/Google.

Infelizmente Vício não é um álbum, e sim um EP que possui apenas 5 faixas, mas, ainda assim, é o melhor trabalho musical artisticamente falando da carreira de Manu Gavassi até então, no meu ponto de vista. Lançado em 11 de dezembro de 2015 no iTunes e nas outras plataformas digitais de música, Vício possui um estilo musical completamente diferente dos dois álbuns anteriores da cantora, Manu Gavassi (2010) e Clichê Adolescente (2013), que particularmente não me interessam tanto. Diferentemente do pop/rock que traziam os dois primeiros trabalhos de Manu, as músicas de Vício são consideradas como pertencentes ao estilo synthpop, em que os teclados e sintetizadores são os instrumentos musicais dominantes. Um fato bem legal sobre o EP também é que um de seus principais produtores é Junior Lima, da extinta dupla Sandy & Junior (#saudades), trazendo ainda mais influências eletrônicas ao trabalho. Até então o EP possui dois singles e clipes, Camiseta e Direção, mas como afirmou em entrevista no início do ano, a cantora pretende transformar todas as faixas do trabalho em videoclipe, portanto ainda deve vir muita coisa boa por aí nessa era Vício. Sou completamente viciado e obcecado por todas as músicas do EP desde o seu lançamento, mas as minhas favoritas são mesmo Vício, Farsa e Direção. O trabalho ainda rendeu à Manu a Vício Tour, que durou pouco mais de um mês, passando por algumas capitais brasileiras (ainda sigo tentando superar Salvador não ter feito parte, mas é a vida, né mores?). Seria o meu sonho Vício se transformar em um álbum com mais faixas futuramente? Realiza aí, Manu!

 

E aí, o que acharam das minhas escolhas de álbuns favoritos de divas do pop mundial? Quais são os favoritos de vocês? Quero saber tudo nos comentários, pode ser? 😉

Saída fotográfica: Praça Mauá/Rio de Janeiro

Abril 19, 2016

Este é o último post referente ao tour turístico que eu e Patrícia fizemos no sábado retrasado (dia 9) por alguns pontos do Rio, infelizmente (#todoschoram). Na semana passada subi aqui no blog posts bem detalhados e recheados de fotos sobre o Museu do Amanhã e sobre a Escadaria Selarón, as duas primeiras paradas do nosso tour, que vocês podem conferir clicando aqui e aqui. Logo o último post dessa série deveria ser sobre a última parada da nossa saída fotográfica, que foi o Parque Lage, parque público localizado aos pés do morro do Corcovado, na rua Jardim Botânico, de onde não conseguimos passar nem da entrada graças à um bendito casamento que estava rolando lá no dia e que fez a visitação do parque se encerrar mais cedo ao público geral. Ficamos desapontados? Ficamos! Desejamos mentalmente que aquele casamento que barrou a nossa visita ao parque terminasse em divórcio? Calma lá, também não somos tão cruéis à tal ponto, vai! Mas tudo bem, afinal oportunidade é o que não vai faltar, e assim que rolar conhecer o Parque Lage podem ficar tranquilos que contarei tudo sobre aqui, viu?

Então como não rolou conhecer o Parque Lage dessa vez e como vimos na Praça Mauá, aonde se localiza o Museu do Amanhã, nossa primeira parada do dia, muitos cenários legais para modelar, por quê não finalizar essa série lindona de posts com um especialmente para as fotos tiradas na praça? Até porque eu não queria que o post sobre o Museu do Amanhã, onde essas fotos poderiam entrar, se tornasse pesado demais para visualização. Falando de forma bem sucinta sobre a Praça Mauá, esta localiza-se no centro da cidade do Rio de Janeiro, à beira da – polêmica – Baía de Guanabara, marcando o início da Avenida Rio Branco e da Zona Portuária. Apesar de não constituir um cartão postal tão característico da cidade, é de grande interesse dos turistas em função da estátua de Irineu Evangelista de Souza, conhecido como Barão de Mauá, industrial pioneiro do Brasil, além de um letreiro todo colorido com a escrita ” Cidade olímpica ”, em função de a cidade sediar os jogos olímpicos e paraolímpicos desse ano, à serem realizados entre os dias 5 e 21 de agosto, e do Museu do Amanhã ao fundo. Vamos aos closes, rs? o/

 

 

Créditos: Assim como nos posts sobre o Museu do Amanhã e sobre a Escadaria Selarón, muitas das fotos desse post foram tiradas pela minha maravilhosa amiga Patrícia, que como já foi mencionado aqui no blog tem um canal mega divertido no YouTube, o Não Seja Menas, que você pode conferir clicando aqui.

E aí, o que acharam do último post sobre esse tour turístico pela cidade maravilhosa? Espero que tenham gostado de saber um pouco mais sobre esses 3 pontos que visitei e de todas as fotos! Tô pensando em marcar uns rolês por alguns pontos daqui de Salvador com uns amigos blogueiros! Por onde vocês gostariam que eu passasse? Me contem nos comentários! Até mais ver! 😉

Navegue nas páginas«1 ...567891011»

Papo de Matheus • todos os direitos reservados © 2018 • powered by WordPress • Desenvolvido por