Texto de despedida (ou ” até logo ”) a Salvador

setembro 17, 2016

Nesta última semana, meu coraçãozinho foi tomado por uma infinidade de sentimentos e eu acho que nunca estive tão emocionalmente instável como nos últimos dias. É que ao longo deles vivi uma sequência atípica de despedidas (ou ” até logos ”), cada uma com sua intensidade, expressividade e jeitinho característicos, mas todas elas, em comum, causando aquele apertinho no coração e aquele nózinho na garganta, que, sim, ainda permanecem bem aqui…

E eis que o motivo de todos esses sentimentos e de todas essas despedidas é que esta é oficialmente minha última madrugada em Salvador (sim, meus caros, vos escrevo de madrugada), já que em poucas horas estarei dentro de um avião cujo destino é uma nova jornada da minha vida, feita no Rio de Janeiro, minha tão querida terrinha natal.

Confesso que é beeem estranho imaginar que esse desejo imenso, que nunca deixou de existir em mim desde que mudei pra cá, há 6 anos atrás, está finalmente se tornando realidade. A essa altura, certamente o Matheus de 12 anos, aquele que veio pra capital soteropolitana com o maior bico do mundo por ter vindo contrariado e por ter sido obrigado a deixar o Rio pra trás, estaria pulando pelo quarto e dançando na frente do espelho feito um louco por poder retomar sua vidinha carioca novamente. Já o Matheus de 19 está com a felicidade e a esperança de que tudo dê certo nessa nova caminhada estampadas nos olhos, em contrapartida não consegue deixar de pensar o quanto o Matheus de 12 era ingênuo por não vislumbrar a mínima possibilidade de felicidade aqui. Que bom que ele estava absolutamente equivocado…

Apesar de eu sempre ter tido a consciência de que o meu cantinho no mundo é o Rio, Salvador me presenteou com coisas incríveis e dou graças a Deus por Ele ter tocado meu coração pra que eu começasse a me permitir viver tais coisas (inclusive o único arrependimento é o de não ter me permitido mais, muuuito mais). Foram 6 anos recheados de acontecimentos e momentos que jamais serão apagados da minha memória, de amizades que foram lindamente construídas e que quero levar pra vida inteira, de lições e aprendizados que talvez eu nem tivesse me deparado e de fato os incorporado caso não tivesse passado por esse processo de mudança… Foram 6 anos, 6 lindos anos, que tenho orgulho em poder dizer que ficarão registrados na minha história pra sempre!

Vou levar comigo, no coração, na memória e na mala, cada momentinho vivido. Lembrarei do meu primeiro aniversário comemorado aqui, no qual ganhei um bolo surpresa de Prestígio delicioso e vi meu coração sair pela boca ao perceber que junto ao bolo estava lá um ingresso pra assistir ao meu segundo show dos Jonas Brothers (minha banda favorita até hoje, apesar de já extinta); das minhas maratonas de estudo pra conseguir dar conta de todas as provas de Recuperação e não reprovar no final do ano; da sensação mega estranha ao me olhar no espelho e me deparar com um Matheus usando seu primeiro aparelho nos dentes (como em alguns dias doía!); da minha primeiríssima sessão de autógrafos com um autor específico e a minha introdução com tudo nesse universo literário; das minhas guerras de balões d’água na piscina com a primeira empregada que tivemos aqui em casa, Tati (<3); de quando eu subi no palco da formatura pra pegar o meu certificado de conclusão do ensino médio (nunca me canso de lembrar dos olhinhos orgulhosos de minha mãe e meu padrasto me acompanhando durante todo o tempo da cerimônia); das minhas séries intermináveis e exaustivas de mil e um tipos diferentes de nados nas aulas de natação; do meu primeiro dia de faculdade ao lado de uma das melhores amigas da vida (apesar de a experiência como um todo não ter sido tão incrível assim); da época em que eu queria porque queria transformar o sótão da minha casa em um estúdio de webshow estilo iCarly; das minhas repetidas e incansáveis sessões triplas de cinema com Carol; da luta que era pra conseguir pegar e prender meus porquinhos da índia de estimação quando eles ficavam soltos na grama; das resenhas e risadas altas dos almoços em família; da sensação de poder ao pegar a minha carteira de motorista… Ai, ai, só de listar e automaticamente reviver cada um desses momentinhos na memória já bateu uma saudade…

Maaas, como nada nessa vida é feito apenas de felicidades, esse período em Salvador também me rendeu uma série de acontecimentos ruins e extremamente desgastantes, tanto pra mim quanto pra minha mãe e meu padrasto, que sempre estiveram a par de tudo, mesmo que muitas das vezes à distância. Quando penso nesses acontecimentos negativos, deixo de lado as amizades que me decepcionaram e acabaram por se desfazendo, as desilusões amorosas, o primeiro assalto, e a primeira coisa que me vem em mente é uma das fases mais difíceis e complicadas que já vivi na vida, fase essa em que eu não tinha um resquício sequer de ânimo quanto aos estudos, fazendo com que minha situação escolar se tornasse um verdadeiro caos, por anos consecutivos. E esse período que fez parte da minha história em Salvador foi algo extremamente negativo, porque trouxe um puta desgaste financeiro, sobretudo emocional, pra dentro de casa, afetando diretamente minha mãe e meu padrasto, e minha vida como um todo. Por conta dessa fase acabei perdendo inúmeras oportunidades que teriam sido incríveis pra mim, em vários aspectos. Felizmente já superei essa fase quase que em sua totalidade, mas alguns efeitos colaterais dessa ainda afetam um pouco minha vida até hoje. O lado positivo de ter vivido todos esses acontecimentos ruins e de todo esse processo de ” quem sete vezes cai, levanta oito ” é que extraí de tudo uma série de aprendizagens e lições que levarei pra vida inteira. E o mais importante é que também pude crescer como pessoa.

E é justamente pra crescer ainda mais como pessoa, me descobrir, me reinventar, sair da zona de conforto, viver novas experiências, correr atrás dos meus sonhos é que estou retornando ao Rio de Janeiro. Quer dizer… Retornando, não. O Matheus de 12 anos encararia tudo isso como um retorno. Já o Matheus de 19 prefere encarar como um novo começo! E a Salvadô… A Salvadô sou extremamente grato por tudo o que vivi nessa cidade, por todos os melhores e piores momentos, por absolutamente tudo o que contribuiu pra ser exatamente quem eu sou hoje! A você, Salvadô, todo o meu amô! Isso não é uma despedida, é um ” até logo ”! <3

Matheus CarvalhoQuem escreveu? Matheus Carvalho

19 anos, estudante de Jornalismo da ESPM-Rio, cariopolitano, fascinado pela escrita, apaixonado por entretenimento, conectado (quase) o tempo todo e se mordendo de curiosidade pra saber o que você achou desse post (conta aí, vai 0/)...



Deixe o seu comentário

2 Respostas para "Texto de despedida (ou ” até logo ”) a Salvador"

Marcelo - 19 setembro 2016 às 22:18

Que texto incrível, espero que volte logo a Salvador, sempre quis ir pra comer um acarajé bem grande, kkkkk! Adorei o seu blog e achei ele bem organizado, é difícil hoje em dia encontrar blogs de meninos e muito menos arrumadinhos assim como o seu. Parabéns!!!

Responder


Matheus Carvalho Matheus Carvalho - outubro 31st, 2016 em 8:43 pm • respondeu:

Oi, Marcelo! Tudo bom? (: Miiil desculpas pela demora eterna de te dar uma resposta, masss fico feliz por saber que você curtiu o blog e sinta-se muuuito à vontade pra visitá-lo quantas vezes quiser! 0/ E, by the way, como você consegue gostar de acarajé, menino? Haha!

Responder

Papo de Matheus • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por